Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Homenagem aos professores aposentados de Vila Nova de Gaia

julmar, 10.10.14

«Não fique triste quando ninguém notar o que fez de bom. Afinal, o sol faz um enorme espetáculo ao nascer, e mesmo assim, a maioria de nós continua dormindo». Charles Chaplin Parte 1 Durante vários anos o Presidente da Câmara Luís Filipe Menezes reunia todos os professores do 1º Ciclo do concelho, a que se juntavam os Conselhos Diretivos das Escolas Básicas e Secundárias e outros convidados que, somando todos, ultrapassava a ordem das centenas. O objetivo explícito era reconhecer todos os professores do 1º ciclo que, no ano, se haviam aposentado. Para o efeito se contratava um restaurante com a suficiente dimensão de acolhimento e serviço de jantar com a adequada dignidade que o ato requeria. Havia animação musical. Da última vez esteve a cargo de José Cid. E havia o discurso do Presidente da Câmara de elogio aos homenageados e a excelência do trabalho desenvolvido no Município de Gaia. E, claro, a distribuição do louvor aos homenageados. Naturalmente, havia os que criticavam o excesso de despesa, o culto narcísico do presidente e a conquista de votos. Parte 2 «A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia decidiu homenagear, esta quinta-feira (9 de Outubro), um conjunto de professores aposentados do concelho, numa cerimónia que decorrerá a partir das 21h30 no Auditório Municipal. Com esta iniciativa, a autarquia pretende prestar homenagem a docentes aposentados do pré-escolar ao 3.º ciclo de ensino que se tenham distinguido ao longo da sua carreira. Os 55 antigos professores foram indicados pelos diferentes agrupamentos escolares do município. A cerimónia contará com a presença do presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, e ficará também marcada por um momento musical interpretado pelo Estúdio de Ópera do Conservatório Superior de Música de Gaia.» A cerimónia decorreu de acordo com a divulgação feita. Para além de todas as diferenças na circunstancialidade (e são grandes), há uma diferença que é crítica: No primeiro caso considera-se que todos são dignos de reconhecimento e, por isso, todos devem ser homenageados. No segundo caso que apenas alguns são dignos de reconhecimento ou que, pelo menos, uns são mais dignos de reconhecimento que outros. No segundo caso o maior problema que se coloca é como avaliar os “que se tenham distinguido ao longo da sua carreira” A Câmara dirá que nada tem a ver com o assunto, que a escolha é dos agrupamentos. E nos agrupamentos, se estiver errado que me corrijam, não houve estabelecimento de critérios. A coisa é feita na base de simpatias e/ou a olhómetro. Gostaria de ver – uma simples página A4 – os feitos que distinguiram cada um ao longo da sua carreira.