Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Amora da Silva - A propósito da manifestação dos professores

julmar, 08.10.06

Ontem na SIC notícias estava eufórico o dirigente sindical Mário Nogueira com a enorme manifestação que os professores levaram a cabo no 5 de Outubro em Lisboa.

A mim chamou-me em especial à atenção o raciocínio levado a cabo pelo sindicalista para demonstrar que os resultados dos alunos não dependem do trabalho e da competência dos professores. Em resumo, diz: «A Escola Infanta D. Maria de Coimbra está considerada uma das melhores escolas, em termos de resultados, em todo o país. Com a escola de Pampilhosa, pertencente também ao distrito de Coimbra, acontece o inverso. Se trocássemos o corpo docente os resultados das referidas escolas não se alterariam».

Ora bem, vistas as coisas desta maneira não há razão para avaliar os professores porque os resultados não dependem em nada do seu mérito, sendo indiferente que sejam doutores, licenciados ou bacharéis, que sejam assíduos ou faltosos, que façam muita formação ou não façam formação nenhuma. Só lhe faltou concluir que os professores têm tanta influência nos resultados dos alunos como os meteorologistas no estado do tempo. Esqueceu-se o sindicalista de referir que não são apenas as famílias dos alunos que são diferentes. Esqueceu-se de referir que os professores que estão em Pampilhosa, estão de passagem, que têm menos experiência, que ganham menos, que a sua estadia é forçada, que muitos deles estão separados da sua família ou fazem diariamente longo e penoso trajecto. Não ocorreu ao sindicalista defender estes professores e como estes todos os que só encontram emprego em zonas do país económica, social e culturalmente desfavorecidas. Não ocorreu aos sindicatos que os professores em determinadas zonas pudessem ter compensações (monetárias; subsídio de renda de casa mesmo que não sejam como as dos juízes; bonificação de tempo de serviço). Sobre isso no estatuto em negociação nem uma palavra. Para manter a classe unida é preciso pedir o mesmo para todos.

1 comentário

Comentar post