Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

Leituras de 2011

Do balanço das várias actividades uma delas diz respeito às leituras, sendo as mais importantes os livros. Importantes pelo tempo que se dispende, importantes pelo que neles aprendemos ou fruímos. Porque gosto de ler nunca tenho falta de companhia. Fico sempre com pena de não poder ler mais. Por norma, as pessoas que escrevem sabem muito e do que sabem procuram trazer-nos o melhor.

De alguns livros, fui dando notícia ao longo do ano. Um ou outro são releituras, como o «Fernão Capelo Gaivota» ou o «Memorial do Convento», sendo que é a primeira vez que releio um romance. Mas valeu a pena.

 

Os meus livros de 2011

 

IPlatão – Marc Vernon

 

A arte do inconformismo – Chris Guilebeau

 

Fernão Capelo Gaivota - Richard Bach

 

A Alma do Líder -  Deepack Chopra

 

Efeito Borboleta e outras histórias

 

Encantamento - Guy Kawasaki

 

O Futuro e os seus inimigos – Daniel Innerarity

 

O Memorial do Convento – Saramago

 

O Cisne Negro – Nassim Nicholas Taleb

 

Filosofia em Directo – Desidério Murcho

 

Drive – Daniel Pink

 

A Vida Privada na Idade Média

 

104 conselhos de Coaching

 

Previsivelmente irracionais – aprenda a tomar melhores decisões – Dan Ariely

 

 

publicado por julmar às 19:20
link do post | comentar | favorito

António Murta - Portugal hoje

 

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=yKk094xdJTw

 

PRECE
Senhor, a noite veio e a alma é vil.
Tanta foi a tormenta e a vontade!
Restam-nos hoje, no silencio hostil,
O mar universal e a saudade.

 

Mas a chamma, que a vida em nós creou,
Se ainda há vida ainda não é finda.
O frio morto em cinzas a ocultou:
A mão do vento pode erguel-a ainda.

 

Dá o sopro, a aragem- ou desgraça ou ancia-
Com que a chamma do esforço se remoça,
E outra vez conquistemos a Distancia-
Do mar ou outra, mas que seja nossa!

 

publicado por julmar às 19:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2011

Vivam os poetas!

E vivam também os amigos dos poetas que são todos os seus leitores! E viva quem nos desinquieta! Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo Morre lentamente quem destrói seu amor próprio, quem não se deixa ajudar. Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece. Morre lentamente quem evita uma paixão e seu redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos e os corações aos tropeços. Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, ou amor, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho quem não se permite, pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos... Viva hoje ! Arrisque hoje ! Faça hoje ! Não se deixe morrer! (Pablo Neruda)
publicado por julmar às 15:40
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011

Escolas fechadas a cadeado

Se experimentar escrever o título deste post no Google ficará espantado coma quantidade de casos. Porque não há funcionários, porque não há higiene, porque as crianças caíram, porque não há professor, porque não há cantina ou porque a comida não presta ... Tudo serve de razão para fechar escolas a cadeado. De tudo isto o que é que as crianças aprendem? 1.Santarém: Pais fecham escola a cadeado depois de acidentes com duas crianças A escola de primeiro ciclo dos Combatentes, em Santarém, foi fechada a cadeado durante a noite, uma forma de protesto assumida por alguns pais depois de quarta-feira duas crianças terem caído nas escadas. 2. Crfianças de Gonça fecham escola a cadeado em protesto Publicado em 2011-09-15 DELFIM MACHADO Os alunos e encarregados de educação da escola EB1 de Gonça, em Guimarães, fecharam a escola a cadeado em protesto contra o encerramento daquele estabelecimento de ensino, previsto para o próximo ano. 3. Pais ameaçam fechar escola a cadeado Os pais dos alunos do 1.º ciclo de Escolas de Baixo, Castelo Branco, ameaçam encerrar a escola a cadeado na quarta-feira de manhã para exigir medidas que travem as agressões praticadas por uma das crianças. 4. Os pais dos alunos da escola EB2,3 Patrício Prazeres, em Lisboa, estão esta segunda-feira a impedir a entrada de qualquer aluno, professor ou funcionário neste estabelecimento de ensino como forma de protesto. Fecharam a porta a cadeado em revolta pela falta de auxiliares e falta de segurança, que permite a livre circulação de droga na escola. 5. Pais e encarregados de educação encerraram hoje a cadeado a Escola Básica Professora Aida Vieira, no Bairro Padre Cruz, em Lisboa, alegando "falta de condições" para os alunos, apesar de obras recentes naquele estabelecimento. 6. Em Fortunho pais fecham escola a cadeado Durante a manhã de hoje, dia 10, os pais dos alunos de uma escola de Fortunho, no concelho de Vila Real, reivindicaram a colocação de uma professora de apoio a tempo inteiro, o que levou ao encerramento do estabelecimento de ensino a cadeado. Os alunos já possuem uma professora, contudo esta apenas lecciona a meio-tempo, e a existência de alunos com uma conduta pouco ética dificulta a tarefa da mesma. Segundo a lei, a colocação de uma profissional a tempo inteiro apenas é obrigatória para escolas a partir de 19 alunos, porém, a escola em questão apenas possui 15.
publicado por julmar às 21:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

O meu menino Jesus

Na voz de Maria Betânia

http://www.youtube.com/watch?v=gWI1gs0dJYk

 

Num meio-dia de fim de Primavera
Tive um sonho como uma fotografia.
Vi Jesus Cristo descer à terra.
Veio pela encosta de um monte
Tornado outra vez menino,
A correr e a rolar-se pela erva
E a arrancar flores para as deitar fora
E a rir de modo a ouvir-se de longe.

Tinha fugido do céu.
Era nosso demais para fingir
De segunda pessoa da Trindade.
No céu tudo era falso, tudo em desacordo
Com flores e árvores e pedras.
No céu tinha que estar sempre sério
E de vez em quando de se tornar outra vez homem
E subir para a cruz, e estar sempre a morrer
Com uma coroa toda à roda de espinhos
E os pés espetados por um prego com cabeça,
E até com um trapo à roda da cintura
Como os pretos nas ilustrações.
Nem sequer o deixavam ter pai e mãe
Como as outras crianças.
O seu pai era duas pessoas -
Um velho chamado José, que era carpinteiro,
E que não era pai dele;
E o outro pai era uma pomba estúpida,
A única pomba feia do mundo
Porque nem era do mundo nem era pomba.
E a sua mãe não tinha amado antes de o ter.
Não era mulher: era uma mala
Em que ele tinha vindo do céu.
E queriam que ele, que só nascera da mãe,
E que nunca tivera pai para amar com respeito,
Pregasse a bondade e a justiça!

Um dia que Deus estava a dormir
E o Espírito Santo andava a voar,
Ele foi à caixa dos milagres e roubou três.
Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido.
Com o segundo criou-se eternamente humano e menino.
Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz
E deixou-o pregado na cruz que há no céu
E serve de modelo às outras.
Depois fugiu para o Sol
E desceu no primeiro raio que apanhou.
Hoje vive na minha aldeia comigo.
É uma criança bonita de riso e natural.
Limpa o nariz ao braço direito,
Chapinha nas poças de água,
Colhe as flores e gosta delas e esquece-as.
Atira pedras aos burros,
Rouba a fruta dos pomares
E foge a chorar e a gritar dos cães.
E, porque sabe que elas não gostam
E que toda a gente acha graça,
Corre atrás das raparigas
Que vão em ranchos pelas estradas
Com as bilhas às cabeças
E levanta-lhes as saias.

A mim ensinou-me tudo.
Ensinou-me a olhar para as coisas.
Aponta-me todas as coisas que há nas flores.
Mostra-me como as pedras são engraçadas
Quando a gente as tem na mão
E olha devagar para elas.

Diz-me muito mal de Deus.
Diz que ele é um velho estúpido e doente,
Sempre a escarrar para o chão
E a dizer indecências.
A Virgem Maria leva as tardes da eternidade a fazer meia.
E o Espírito Santo coça-se com o bico
E empoleira-se nas cadeiras e suja-as.
Tudo no céu é estúpido como a Igreja Católica.
Diz-me que Deus não percebe nada
Das coisas que criou -
"Se é que ele as criou, do que duvido." -
"Ele diz por exemplo, que os seres cantam a sua glória,
Mas os seres não cantam nada.
Se cantassem seriam cantores.
Os seres existem e mais nada,
E por isso se chamam seres."
E depois, cansado de dizer mal de Deus,
O Menino Jesus adormece nos meus braços
E eu levo-o ao colo para casa.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava.
Ele é o humano que é natural.
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que eu sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.

E a criança tão humana que é divina
É esta minha quotidiana vida de poeta,
E é por que ele anda sempre comigo que eu sou poeta sempre.
E que o meu mínimo olhar
Me enche de sensação,
E o mais pequeno som, seja do que for,
Parece falar comigo.

A Criança Nova que habita onde vivo
Dá-me uma mão a mim
E outra a tudo que existe
E assim vamos os três pelo caminho que houver,
Saltando e cantando e rindo
E gozando o nosso segredo comum
Que é saber por toda a parte
Que não há mistério no mundo
E que tudo vale a pena.

A Criança Eterna acompanha-me sempre.
A direcção do meu olhar é o seu dedo apontado.
O meu ouvido atento alegremente a todos os sons
São as cócegas que ele me faz, brincando, nas orelhas.

Damo-nos tão bem um com o outro
Na companhia de tudo
Que nunca pensamos um no outro,
Mas vivemos juntos e dois
Com um acordo íntimo
Como a mão direita e a esquerda.

Ao anoitecer brincamos as cinco pedrinhas
No degrau da porta de casa,
Graves como convém a um deus e a um poeta,
E como se cada pedra
Fosse todo o universo
E fosse por isso um grande perigo para ela
Deixá-la cair no chão.

Depois eu conto-lhe histórias das coisas só dos homens
E ele sorri porque tudo é incrível.
Ri dos reis e dos que não são reis,
E tem pena de ouvir falar das guerras,
E dos comércios, e dos navios
Que ficam fumo no ar dos altos mares.
Porque ele sabe que tudo isso falta àquela verdade
Que uma flor tem ao florescer
E que anda com a luz do Sol
A variar os montes e os vales
E a fazer doer aos olhos dos muros caiados.

Depois ele adormece e eu deito-o.
Levo-o ao colo para dentro de casa
E deito-o, despindo-o lentamente
E como seguindo um ritual muito limpo
E todo materno até ele estar nu.

Ele dorme dentro da minha alma
E às vezes acorda de noite
E brinca com os meus sonhos.
Vira uns de pernas para o ar,
Põe uns em cima dos outros
E bate palmas sozinho
Sorrindo para o meu sono.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Quando eu morrer, filhinho,
Seja eu a criança, o mais pequeno.
Pega-me tu ao colo
E leva-me para dentro da tua casa.
Despe o meu ser cansado e humano
E deita-me na tua cama.
E conta-me histórias, caso eu acorde,
Para eu tornar a adormecer.
E dá-me sonhos teus para eu brincar
Até que nasça qualquer dia
Que tu sabes qual é.

... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

Esta é a história do meu Menino Jesus.
Por que razão que se perceba
Não há-de ser ela mais verdadeira
Que tudo quanto os filósofos pensam
E tudo quanto as religiões ensinam ?

Alberto Caeiro

publicado por julmar às 11:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2011

A conversão de S. Paulo na estrada de Damasco

Ficheiro:Caravaggio - La conversione di San Paolo.jpg

(Pintura de Caravagio)

 "Enquanto isso, Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Apresentou-se ao príncipe dos sacerdotes e pediu-lhes cartas para as sinagogas de Damasco, com o fim de levar presos, a Jerusalém, todos os homens e mulheres que seguissem essa doutrina. Durante a viagem, estando já em Damasco, subitamente o cercou uma luz resplandecente vinda do céu. Caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: 'Saulo, Saulo, por que me persegues?'. Saulo então diz: 'Quem és, Senhor?'. Respondeu Ele: 'Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro te é recalcitrar contra o aguilhão'. Trêmulo e atônito, disse Saulo: 'Senhor, que queres que eu faça?' respondeu-lhe o Senhor: 'Levanta-te, entra na cidade, aí te será dito o que deves fazer'".
Cap. 9, Actos dos Apóstolos

Que terão de comum as conversões religiosas com as conversões políticas?

 

publicado por julmar às 14:37
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2011

IPlatão

«Aplicando a filosofia dos antigos pensadores à vida no nosso século XXI,iPlatão é uma obra que mostra que,quer esteja entalhada na pedra ou gravada em formato MP3,a grande sabedoria é intemporal.Recordando as vidas extraordinárias dos antigos filósofos-desde um que dormia numa barrica até outro que nunca parava de rir-o conceituado escritor Mark Vernon mostra que,se quisermos resolver os problemas do presente,não existe melhor recurso do que o exemplo do passado»

Para os que andam cansados de ouvir comentadores de televisão e fartos de economia e economistas talvez tenha chegado a hora de ler um pouco de filosofia e se começarem por este livro vão ver que sabe bem.

Uma leitura leve sobre coisas pesadas.

publicado por julmar às 17:38
link do post | comentar | favorito

Ler e lavrar

Semelho cada livro a uma veiga, a um chão, ou a uma tapada, daquelas que o meu pai com uma junta de vacas, lavrava com um arado: rego, após rego em compasso cadenciado cobrindo sementes que com o tempo certo passado haviam de dar o fruto que sustentava os corpos. A leitura é um pouco assim: Linha após linha, folha atrás de folha até ao fim procurando o fruto de onde alimento o espírito.

“Em suma, tanto naquelas leituras se enfrascou, que as noites se lhe passavam a ler desde o sol-posto até à alvorada, e os dias desde o amanhecer até fim da tarde. E assim, do pouco dormir e do muito ler se lhe secou o cérebro, de maneira que chegou a perder o juízo”

In, D. Quixote de la Mancha

publicado por julmar às 17:22
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2011

Tudo é, foi

Fecho os olhos por instantes.
Abro os olhos novamente.
Neste abrir e fechar de olhos
já todo o mundo é diferente.

Já outro ar me rodeia;
outros lábios o respiram;
outros aléns se tingiram
de outro Sol que os incendeia.

Outras árvores se floriram;
outro vento as despenteia;
outras ondas invadiram
outros recantos de areia.

Momento, tempo esgotado,
fluidez sem transparência.
Presença, espectro da ausência,
cadáver desenterrado.

Combustão perene e fria.
Corpo que a arder arrefece.
Incandescência sombria.
Tudo é foi. Nada acontece.


António Gedeão

publicado por julmar às 15:21
link do post | comentar | favorito

Carta a um hedonista

The Garden of Earthly Delights by Bosch High Resolution.jpg

Jardim das Delícias - Hieronymus Bosh

«O objectivo da vida hedonista é atingir um estado de gozo sem cuidados. Se procuras  uma vida fácil, procuras  também uma filosofia fácil. Defendes que esta deveria ter como objectivo a felicidade mas, ao contrário dos outros, reduzes o seu conceito de felicidade de modo que o seu conteúdo integral seria obter o prazer, sentir-se bem. A partir deste esquema, a virtude pouco teria a ver com a visão certa e não passaria de capacidade de te abandonares à sensualidade . Isso implica algum esforço. No entanto, substitui a luta pela sagacidade pelo imediatismo da satisfação. Destronas a vida sábia como objecto do filósofo e pões no seu lugar a pura satisfação. O Falstaff de Shakespeare acaba por ter de enfrentar Hal, e as palavras com que Hal repudia o seu antigo companheiro, em Henrique IV, Parte I, poderiam de igual modo ser-te ditas a ti:

                … eis ali um demónio que te assombra sob a aparência de um homem velhoe gordo; um homem que é um barril é o teu companheiro … Em que é ele bom, a não ser a provar vinho e a bebê-lo? Em que é ele limpo e destro, a não ser a trinchar um capão e a comê-lo? Em que é ele habilidoso senão na falsidade? Em que é ele astucioso, a não ser na vilania? Em que é ele vilão, a não ser em todas as coisas? Onde é que ele tem valor a não ser em nada?»

Adaptado de IPlatão de Mark Vermon

publicado por julmar às 14:14
link do post | comentar | favorito
Domingo, 4 de Dezembro de 2011

A arte do inconformismo - Aprender desapendendo

Uma maneira diferente de dar sentido à vida, de encarar o trabalho, de tratar das finanças. O sedentarismo é o grande inimigo a abater. Tão importante como a lista das coisas a fazer é a lista das coisas a não fazer. Trabalhe por conta própria. Pergunte em que é que o seu trabalho traz felicidade aos outros. Não faça o que os outros querem que você faça. Não perca tempo com o trabalho da treta. Seja grato e dê. Seja frugal. Discipline-se. Ponha tudo a trabalhar para si (convergência). Tenha a coragem de dizer não.

 

 

publicado por julmar às 19:14
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Lendo Philip Roth

. Chegada a Erévan, passo a...

. A Evolução de Deus

. Indignação

. Passo a passo até Erevan

. Porque hoje é o dia mundi...

. Lugares da minha vida, de...

. Uma Breve História do Tem...

. Saudade das coisa simples

. O tempo parado

.arquivos

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds