Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Relendo Saramago

julmar, 27.08.11

«O guarda-livros leva a mão ao queixo parecendo que vai entrar em meditação profunda, abre um dos livros como para citar uma decisiva verba, mas emenda ambos os movimentos e contenta-se com dizer, Saiba vossa majestade que, haver, havemos cada vez menos, e dever, devemos cada vez mais, Já o mês passado me disseste o mesmo, E também o outro mês, e o ano que lá vai, por este andar ainda acabamos por ver o fundo ao saco, majestade, Está longe daqui o fundo dos nossos sacos, um no Brasil, outro na índia, quando se esgotarem vamos sabê-lo com tão grande atraso que poderemos então dizer, afinal estávamos pobres e não sabíamos, Se vossa majestade me perdoa o atrevimento, eu ousaria dizer que estamos pobres e sabemos, mas graças sejam dadas a Deus, o dinheiro não tem faltado, Pois não, e a minha experiência contabilística lembra-me todos os dias que o pior pobre é aquele a quem o dinheiro não falta, isso se passa em Portugal, que é um saco sem fundo, entra-lhe o dinheiro pela boca e sai-lhe pelo cu,com perdão de vossa majestade, Ah, ah, ah, riu o rei, essa tem muita graça, sim senhor, queres tu dizer na tua que a merda  é dinheiro, Não, majestade, é o dinheiro que é merda, e eu estou em muito boa posição para o saber, de cócoras que é como sempre deve estar quem faz as contas do dinheiro dos outros» pág. 192

Retórica

julmar, 10.08.11
“A linguagem sofre frequentes abusos no discurso figurativo. Dado que a graça e a fantasia encontram melhor acolhimento no mundo do que a seca verdade e o conhecimento genuíno, os discursos figurativos e a alusão dificilmente serão considerados uma imperfeição ou um abuso da linguagem. Admito que, nos discursos em que procuramos prazer e diversão em vez de informação e instrução, é difícil que os ornamentos desse género passem por falhas. No entanto, se queremos falar das coisas como elas são, temos de reconhecer que toda a arte da retórica, exceptuando aquilo que respeita à ordem e à clareza, que todas as aplicações artificiais e figurativas das palavras criadas pela eloquência servem apenas para insinuar ideias erradas, para excitar as paixões, e assim para nos conduzir ao erro. De facto, essas aplicações são perfeitos logros, e por esta razão, por muito louvável ou aceitável que a retórica possa parecer em discursos e declamações populares, é óbvio que elas têm de ser completamente evitadas em todos os discursos que pretendam informar ou instruir. E onde a verdade e o conhecimento interessam, tais aplicações têm de ser consideradas uma grande falta (...). Quantas e que aplicações são essas, é algo que seria supérfluo indicar aqui. Os livros de retórica que abundam no mundo instruirão aqueles que se queiram informar. Só não posso deixar de observar que a humanidade se preocupa muito pouco com a preservação e o avanço da verdade e do conhecimento, pois as artes da falácia são cultivadas e preferidas. John Locke,  Ensaio sobre o Entendimento Humano