Terça-feira, 29 de Março de 2011

O 5º funcionário!


 ERA UMA VEZ… 4 funcionários públicos chamados Toda-a-gente, Alguém, Qualquer-Um e Ninguém.

Havia trabalho importante para fazer e Toda – a- Gente tinha a certeza que Alguém o faria.

Qualquer-Um podia fazê-lo, mas Ninguém o fez.

Alguém se zangou porque era um trabalho para Toda –a –Gente

Toda –a –Gente pensou que Qualquer – Um  podia tê-lo feito, mas Ninguém constatou que Toda –a –Gente não o faria.

No fim, Toda-a -Gente, culpou Alguém, quando Ninguém fez o que Qualquer- Um poderia ter feito.

Foi assim que apareceu o Deixa –Andar… um 5º funcionário para evitar todos estes problemas

publicado por julmar às 21:23
link do post | comentar | favorito
Domingo, 27 de Março de 2011

O último discurso - "O grande ditador"

Chaplin em "O Grande Ditador"

 

 

O último discurso

http://www.youtube.com/watch?v=FPzgq8sNbMI

de “O Grande Ditador”

           Sinto muito, mas não pretendo ser um imperador. Não é esse o meu ofício. Não pretendo governar ou conquistar quem quer que seja. Gostaria de ajudar – se possível – judeus, o gentio... negros... brancos.

            Todos nós desejamos ajudar uns aos outros. Os seres humanos são assim. Desejamos viver para a felicidade do próximo – não para o seu infortúnio. Por que havemos de odiar e desprezar uns aos outros? Neste mundo há espaço para todos. A terra, que é boa e rica, pode prover a todas as nossas necessidades.

            O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos.  A cobiça envenenou a alma dos homens... levantou no mundo as muralhas do ódio... e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios. Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

            A aviação e o rádio aproximaram-nos muito mais. A própria natureza dessas coisas é um apelo eloqüente à bondade do homem... um apelo à fraternidade universal... à união de todos nós. Neste mesmo instante a minha voz chega a milhares de pessoas pelo mundo afora... milhões de desesperados, homens, mulheres, criancinhas... vítimas de um sistema que tortura seres humanos e encarcera inocentes. Aos que me podem ouvir eu digo: “Não desespereis! A desgraça que tem caído sobre nós não é mais do que o produto da cobiça em agonia... da amargura de homens que temem o avanço do progresso humano. Os homens que odeiam desaparecerão, os ditadores sucumbem e o poder que do povo arrebataram há de retornar ao povo. E assim, enquanto morrem homens, a liberdade nunca perecerá.

            Soldados! Não vos entregueis a esses brutais... que vos desprezam... que vos escravizam... que arregimentam as vossas vidas... que ditam os vossos atos, as vossas idéias e os vossos sentimentos! Que vos fazem marchar no mesmo passo, que vos submetem a uma alimentação regrada, que vos tratam como gado humano e que vos utilizam como bucha de canhão! Não sois máquina! Homens é que sois! E com o amor da humanidade em vossas almas! Não odieis! Só odeiam os que não se fazem amar... os que não se fazem amar e os inumanos!

            Soldados! Não batalheis pela escravidão! Lutai pela liberdade! No décimo sétimo capítulo de São Lucas está escrito que o Reino de Deus está dentro do homem – não de um só homem ou grupo de homens, ms dos homens todos! Está em vós! Vós, o povo, tendes o poder – o poder de criar máquinas. O poder de criar felicidade! Vós, o povo, tendes o poder de tornar esta vida livre e bela... de faze-la uma aventura maravilhosa. Portanto – em nome da democracia – usemos desse poder, unamo-nos todos nós. Lutemos por um mundo novo... um mundo bom que a todos assegure o ensejo de trabalho, que dê futuro à mocidade e segurança à velhice.

            É pela promessa de tais coisas que desalmados têm subido ao poder. Mas, só mistificam! Não cumprem o que prometem. Jamais o cumprirão! Os ditadores liberam-se, porém escravizam o povo. Lutemos agora para libertar o mundo, abater as fronteiras nacionais, dar fim à ganância, ao ódio e à prepotência. Lutemos por um mundo de razão, um mundo em que a ciência e o progresso conduzam à ventura de todos nós. Soldados, em nome da democracia, unamo-nos!

            Hannah, estás me ouvindo? Onde te encontrares, levanta os olhos! Vês, Hannah? O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo – um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergue os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança. Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos!

publicado por julmar às 21:29
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 18 de Março de 2011

A CEIA DO LAVRADOR

 

Deram os sinos trindades
Por sobre as casas da aldeia
Toques de suavidades
Que prenunciam a ceia

 

Mas mesmo que ande de zorros

O lavrador, que é bom pai,
A ver se a ceia é pra todos
Não manda, que ele proprio vai.

 

Começa a sua inspecçáo

Plas vacas, gado mais nobre
Também cabonde ração
Prás cabras, vacas dos pobres.

 

Á égua, luxo da casa,

Á burra, sua cestinha,
Mangedora a feno rasa
Mais até do que convinha.

 

Pois na pia do cevado,

Que só pra comer nasceu,
É o farelo um pecado,
De fartura brada ao céu.

 

O gado de bico dorme
Ao fusco se regalara
Os cães aguardam que enforme
O caldo que nutre e sara

 

Aos animais sem razão
Aconchego já não falta
A seguir vem o pregão
Chamando pra mesa a malta.

 

Filhos, netos, jornaleiros
O conhecem e de cor
Mendigos e passageiros
Também cabem em redor.

 

Na mesa, que é um altarzinho
Que branca toalha cobre
Não falta caldo nem vinho
Nem pão. regalo do pobre.

 

vem á ceia as courelas
cada uma traz seus mimos
dá o quintal bagatelas
a veiga fartos arrimos

 

Das bouças vêm canhotos

Que um bento calor evolam
E até os manigotos
Mandam cheiros que consolam

 

Vinhedos, chões e vergéis
Primasias se disputam…
Nem as rochas são revéis
Em dura freima labutam.

 

As do monte mandam coelhos
As da ribeira bordalos
Pirilampos são espelhos
A cegarrega é dos ralos.

 

As Almas Santas dos Céus
Também descem para a mesa
A noite, negra de breu,
Resplandesce com a reza.

 

E quando acaba a litânia
A prece que ceia encerra
Manda pra longe a cizânia
A paz reina sobre a Terra,

 

Dia um da criação
A quantos na tasca estão.

(Leal Freire

publicado por julmar às 09:33
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Março de 2011

Uma escola para tolos?

Texto muito certeiro a todos os alvos apontados. Porém.

Porém, João Ruivo, num currículo que é brilhante a que não faltam louvores, também é Professor Coordenadorna Escola Superior de Educação do Instituto Piaget.

Num país que a todos quis fazer doutores, a referida escola não se poupou a esforços e tornou-se numa escola de fazer doutores que na maior parte iam ser profesores. Ou a qualidade das escolas que formam os professores nada tem a ver com a qualidade do ensino da escola para todos, perdão, para tolos? Pois é, o deficit, aquele que preocupa os mercados não é senão a consequência de todos os deficts da maneira como vivemos e trabalhamos, da maneira como aprendemos e ensinamos, qualificamos e certificamos.

 

 

«O teimoso prosseguimento da implementação das actuais medidas de política educativa anuncia uma clara mudança de paradigma: a transição do modelo sixtie da "escola para todos", para o modelo pós-modernista da "escola para tolos".

 

A grande reforma educativa sorvida dos quentes e vibrantes anos do final da década de sessenta, consubstanciada nas filosofias do Maio de 68, apontava para uma escola aberta, universal, inclusiva, interclassista, meritocrática, solidária, promotora da cidadania e, até, niveladora, no sentido que deveria esbater as desigualdades sociais detectadas à entrada do percurso escolar.

 

Os professores passavam a ser mediadores da aprendizagem, promotores da socialização e do trabalho partilhado. Os alunos metamorfoseavam-se em aprendentes activos, participativos, concretizadores, co-líderes da sala de aula e do rumo a dar às planificações. Os pais, descolarizados ou iletrados, por vergonhosa opção de quatro décadas de ditadura, entregavam os seus filhos naqueles centros de promoção do sucesso social. Era a escola aberta à comunidade, uma escola moderna, que se impunha à escola tradicional. Era, enfim,

 

a escola para todos

.

Com o decorrer dos anos, os governantes, lá no alto do seu douto saber, entenderam que, já agora, os professores e a escola poderiam também cumprir uma imensidão de funções até então cometidas ao Estado, às famílias e à sociedade. Mesmo que não tivessem tido preparação para isso, os professores tinham demonstrado que sabiam desenvencilhar-se e, sobretudo, que não sabiam dizer não.

 

E desde então, essas passaram também a ser tarefas e funções da escola e dos seus docentes. A partir desse momento singular, passámos a ter uma escola que, por acaso, também era um local de aprendizagem formal, mas que, sobretudo, se foi desenvolvendo como um espaço de aprendizagens sociais, informais, socializadoras. E foi assim que se baralhou e se desvirtuou uma escola que, altruisticamente, queria ser para todos, transformando-a numa escola onde tudo cabia. Era

 

 

a escola para tudo

.

Mais recentemente (reportando-nos ao baronato de Maria de Lurdes Rodrigues e ao principado de Isabel Alçada), entendeu-se que a escola gastava muito e os professores,

 

numa indolência secular, pouco faziam. Logo, quem sabe? até poderiam ser substituídos uns pelos outros, à molhada, degradantemente. Ou até secundarizados por skinnerianas máquinas de ensinar, que apressadamente se viram baptizadas de Magalhães, porque os governantes portugueses gostam que a história, tal como as telenovelas, se repita.

 

Aos professores, era exigido que reincarnassem de novo: uns em avaliadores, outros em avaliados; uns em directores, outros em assessores, outros em assessorados; uns em titulares, outros em titulados, uns em relatores, outros em ralados. Porém, desta vez, a culpa não ia morrer solteira. Mas, para isso, revelava-se necessário desviar as atenções: o resvalar da escola não podia ser atribuído ao acumular dos insucessos de continuadas e desastrosas políticas educativas. Com o derrapar da instituição escolar, a responsabilidade tinha que ser apenas atribuída a um dos actores: aos docentes, claro… e, logo, à sua falência profissional. Acreditam? Pois… é

 

 

a escola para tolos

.

O que eles não sabem nem sonham é que os professores têm dentro de si a força regeneradora do saber, da cultura e da utopia social. Modelando sabiamente os seus alunos, são os construtores de futuros. Dentro e fora da escola querem partilhar a discussão do amanhã, porque aprenderam que ter, é ceder e partilhar.

 

Infelizmente, como humanos que são, também erram: do seio da escola por vezes saem maus políticos e, logo, más políticas. Mas não é por isso que se deixam abater, já que exercem uma profissão que exige a reflexão permanente, a busca de consensos, e a capacidade de ser persistente, sem teimosia.

 

Hoje, e talvez por estarmos à beira de uma pressentida reedição do Maio de 68, com os jovens na rua a contestarem as políticas e os políticos que se enredaram em rotinas de salamaleques e na narcísica gestão das suas imagens e carreiras, fazemos nossas as palavras dos Deolinda: " E fico a pensar/ que mundo tão parvo/ onde para ser escravo/é preciso estudar"».

 

 

 

João Ruivo

 

jruivo@almada.ipiaget.org

João Ruivo (www.rvj.pt/ruivo)

 

publicado por julmar às 10:04
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Março de 2011

Quem será o melhor professor de Portugal?

 

Isto refere-se ao ano lectivo 2006-2007

 

 
Para "reconhecer e galardoar os docentes que contribuem de forma excecional para a qualidade do sistema de ensino, quer no exercício da atividade docente, em contacto direto com os alunos, quer na defesa de boas práticas com impacto na valorização da escola" (in www.min-edu.pt 11/05/2007), o Ministério da Educação instituiu o Prémio Nacional de Professores, cuja candidatura terminou recentemente. A este Prémio Nacional se acrescentam-se quatro categorias de mérito: Carreira, Integração, Inovação e Liderança. Mais de 150 mil são os docentes portugueses. Trinta e cinco (35) são os que se candidataram ao tal Prémio Nacional. A eles se acrescentaram outros 30, distribuídos pelas categorias referidas (Inovação - 15, Liderança - 10, Carreira - 6 e Integração - 4). Se considerarmos apenas o Prémio Nacional de Professores, os docentes candidatos correspondem à extraordinária percentagem de 0, 023%. Se tivermos em conta a junção desse Prémio com as outras quatro categorias, a percentagem de concorrentes sobe para o significativo número de 0,043%.
Que conclusões podemos retirar dos factos apresentados? Ocorrem-me duas linhas de análise completamente diferentes:

Primeira linha de análise:
A imagem social degradada dos professores (pela qual, na minha opinião, o Ministério da Educação é muito responsável, através de algumas declarações públicas de responsáveis da política educativa e das suas "medidas de ferro") corresponde à sua efetiva qualidade. Os professores são mesmo uma classe preguiçosa, que falta muito e trabalha pouco, que tem muitas férias e que é a principal (ou única) responsável pelo insucesso dos alunos.

Segunda linha de análise:
Os professores, indignados com a desvalorização que têm vindo a sentir por parte do Ministério da Educação e com as medidas injustas contra eles tomadas, responderam com um rotundo NÃO à operação de branqueamento do ME, não querendo participar em tal concurso.

Inclino-me totalmente para a segunda explicação. Conheço muitos professores cujo mérito é reconhecido pelos órgãos de gestão das suas escolas, pelos seus pares, pelos alunos, pelos pais, e a quem, por isso, não faltariam entidades proponentes (já que a candidatura não pode ser apresentada individualmente pelo próprio professor, devendo sê-lo, antes, por entidades coletivas).

Acredito que o galardão que os bons professores (muitos) mais apreciam (e que os mantém a remar contra ventos e marés, até mesmo contra a desmotivação que o ataque cerrado à classe favorece) são os resultados que obtêm e o reconhecimento dos seus alunos. A este acrescenta-se o dos pais e o dos seus pares. Tudo temperado com uma forte consciência profissional e um grande sentido de responsabilidade.

E, já agora, retomando um tema que tratei anteriormente, não queria terminar este artigo sem mais uma homenagem a muitos professores que mereciam um Prémio de Carreira, pelo investimento que fizeram na profissão ao longo de toda uma vida e que, depois de deixarem de poder lecionar por terem sido vítimas de doença, passaram a desempenhar funções não letivas nas escolas. Do trabalho de muitos destes professores dependem projetos importantes que muito contribuem para a resolução de problemas como a indisciplina ou a integração de alunos estrangeiros. Qual o Prémio de Carreira que recebem, através da aplicação do Decreto-Lei n.º 224/2006? A criação de um Professorão - Vidrão... Papelão... Pilhão... Velhão (à Gato Fedorento)... Professorão -, para onde terão grandes probabilidades de serem lançados, depois de se submeterem a um concurso para entidades variadíssimas, do qual estão excluídas as escolas. O Professorão (cinzento, como esta política) encontra-se bem resguardado na Internet, onde muitas entidades poderão procurar estes professores para uma reconversão profissional (Estamos mesmo a ver a procura que vai haver e quantos virão a ser reconvertidos desta forma!). Segue-se, no fim de algum tempo, uma licença sem vencimento ou uma passagem à aposentação. (Para mais informação consultar o artigo "Depois de comida a carne (dos professores), quem (lhes) vai roer os ossos?").

Retomando o parágrafo inicial, concluo este artigo com uma recomendação ao Ministério da Educação: reflitam sobre os números expostos. Dão que pensar! E vale a pena fazê-lo! Não será uma cerimónia pomposa no dia 15 de dezembro que irá alterar o desagrado da classe docente ou contribuir para melhorar a educação em Portugal.
Armanda Zenhas ,

In, Revista Educare

publicado por julmar às 12:13
link do post | comentar | favorito

O melhor Professor? - Não existe

 

O Prémio Nacional de Professores não foi este ano atribuído por causa da ausência de candidaturas que reunissem os «requisitos considerados necessários», anunciou esta segunda-feira, o Ministério da Educação.

 

«O júri, presidido pelo Engenheiro Roberto Carneiro, decidiu não atribuir o Prémio Nacional de Professores e o Prémio de Mérito Integração, por considerar que as candidaturas apresentadas não reuniam os requisitos considerados necessários para o efeito», afirma o gabinete da ministra Isabel Alçada, em comunicado.

Na quarta edição destes galardões, cuja cerimónia realizou-se hoje, foram entregues apenas os prémios de Mérito Carreira, para José Carlos Peixoto, Mérito Liderança, entregue a Adelina Pereira, e de Mérito Inovação, atribuído a Maria do Carmo Leitão.

Nos últimos três anos venceram o Prémio Nacional de Professores os docentes Arsélio Martins, Jacinta Moreira e Alexandre Costa.

 

publicado por julmar às 12:07
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Março de 2011

Filosofia em Directo - Desidério Murcho

Dificilmente em menos de cem páginas alguém conseguiria o intento do autor: "fazer o leitor assistir em directo, pela força do exemplo e sem mediações históricas nem academismos, ao raciocínio filosófico intenso". E consegue-o percorrendo os problemas essenciais da filosofia, sem retóricas e sem devios, com um rigor extraordinàrio. Difícil leitura para os distraídos e para os preguiçosos mentais. Difícil para os que não tenham como prinípio base do conhecimento a probidade intelectual e a boa fé.

"Como sabemos então que sabemos seja o que for? Se estamos a perguntar como podemos garantir que sabemos quando cremos que sabemos, a resposta simples é nunca. Mas se raciocinarmos de maneira cuidadosa, podemos - cooperando cognitivamente com os nossos semelhantes - tomar medidas que diminuam o erro e aumentem o acerto. Teremos então boas justificações para tomar as nossas ideias como provavelmente verdadeiras - até alguém mostrar que são falsas".

publicado por julmar às 21:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Porque hoje é o dia mundi...

. Lugares da minha vida, de...

. Uma Breve História do Tem...

. Saudade das coisa simples

. O tempo parado

. Oh as casas as casas as ...

. O Cardeal Manuel Clement...

. A Inutilidade do Viajar

. Viajar

. Ano de 2017, passo a pass...

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds