Segunda-feira, 30 de Março de 2009

Contos de gente caduca

A propósito das declarações do Papa em terras de África, gostaria de lembrar as palavras de S. Paulo na epístola a Timóteo:

«O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé, dando ouvidos a espíritos mentirosos e a doutrinas diabólicas, a impostores hipócritas de consciência deformada. Proibem o casamento e o uso de alimentos que Deus criou para serem consumidos com acção de graças pelos que têm fé e conhecem a verdade. Porque toda a criatura de Deus é boa e nada é desprezível quando se usa com acção de graças, pois tudo isso é santificado pela palavra de Deus e pela oração. Se explicares isto aos irmãos , serás bom ministro de Cristo Jesus, alimentado com as palavras da fé  e da boa doutrina que tens seguido. Rejeita, porém, os mitos profanos, contos de gente caduca»

Como dizia, Jesus «Que tem ouvidos para ouvir que oiça».

 

publicado por julmar às 22:32
link do post | comentar | favorito
Domingo, 29 de Março de 2009

Avaliação, in O Terrear

O início da crónica de hoje do Miguel Santos Guerra:


 

La evaluación es un fenómeno de extraordinaria complejidad que permite poner sobre el tapete todas nuestras concepciones, principios y actitudes sobre la enseñanza y el aprendizaje. Dime cómo evalúas y te diré qué tipo de profesional y de persona eres. Pues bien, entramos en fase de evaluación. Todo cobra un especial sentido porque vamos a encontrarnos con los resultados.Siempre me ha llamado la atención que la evaluación se haya convertido en el fin y no en un medio de comprobar y de mejorar el aprendizaje. Pareciera que se estudia para ser evaluado y no que se evalúa para saber si se ha aprendido y se puede aprender más y mejor.


 

 


 

Me sorprende aún más que la evaluación se convierta en un ejercicio de poder, de modo que algunos no se podrían imaginar lo que sería la escuela si esa forma de entender la evaluación (como una finalidad, como una calificación) desapareciese. Es decir, que se ha hecho más importante aprobar que aprender. Me llama la atención aún más que haya profesores (ya sé que son excepciones) que disfrutan cuando suspenden mucho y piensan que de esa forma ellos y sus asignaturas se hacen más importantes.


 

(...)


 

La escuela es el reino de lo cognitivo pero debería ser también el reino de lo afectivo. Hay muchos sentimientos en juego amarrados a la evaluación. Sentimientos de profesores y sentimientos de alumnos. El peligro consiste en que lo que se ha aprendido o se ha dejado de aprender venga a ser secundario. Que lo verdaderamente importante sea que el poder del evaluador, a través de la evaluación, se mantenga a flote. ¿Qué sucedería en algunas clases si desapareciese el poder de evaluar? ¿Qué sucedería si los alumnos supiesen que ellos mismos podrían evaluarse? Es decir, si lo único importante fuese lo que se aprende porque no importase nada absolutamente la evaluación como acreditación o calificación.La constante referencia a la evaluación durante el proceso de enseñanza aprendizaje, la forma de hacer preguntas, la parafernalia que rodea los exámenes, la solemnidad de las correcciones, la importancia de las calificaciones invierten la jerarquía de estos dos fenómenos: aprobar y aprender.Hay profesores que tienen amenazados a sus alumnos con el arma del examen. A través de ella imponen el orden. El respeto y la sumisión. Los alumnos entran en la dinámica y desempeñan su papel. Se produce entonces un forcejeo para ver quién puede a quién, quién engaña a quién. Los alumnos descubren pronto que se puede engañar y que quien no lo hace es un pobre estúpido. Aprenden a copiar para garantizar el éxito. Una amiga me cuenta que su sobrina fue sorprendida por su madre con la palma de la mano izquierda escrita con esmero con la información que iba a ser objeto de examen.


Miguel Santos Guerra

publicado por julmar às 16:58
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 17 de Março de 2009

Casos da vida real

A apresentadora teve o cuidado de sublinhar que este era um caso real.

Eu não quis acreditar como é que alguém pode ter o despudor de escolher este caso para o efeito que se pretende. Também me admirei que a indignação fosse apenas minha.

Então, ninguém se questiona sobre o que um cidadão de 18 anos com direito a voto anda a fazer numa turma de miúdos de 12 anos? Então, estarão à espera que o aluno conclua o 9º ano aos 24 anos – no caso das coisas passarem a correr melhor?

Então, isto é assim, impunemente?

Os erros ortográficos ao pé disto são minudências.

 

Trabalho de Grupo – “Frequência e Assiduidade – Efeitos das faltas”

 

CASO PRÁTICO

 

«Um aluno de 18 anos de idade que frequenta o 7ºano de escolaridade ultrapassou o limite de faltas, previsto no nº 2 do atº 22, nas disciplinas de Português, Inglês e Ciências Físico-Químicas. Rendo realizado a prova de recuperação nessas disciplinas, não obteve aprovação. O Conselho de Turma reuniu e efectuou a ponderação dos aspectos referidos no nº 3, do citado artigo, colocando-se a questão seguinte:

            Poderá determinar-se a aplicação da alínea c) do atº 22?

Ou

Poderá aplicar-se a alínea b), e continuar a aluno a frequentar a Escola até ao final do ano lectivo, sendo somente retido nessa altura?

 

  1. Que procedimento(s) adoptaria antes de o aluno ultrapassar o limite de faltas?
  2. Com base no resultado obtido na prova de recuperação que medidas implementará?
publicado por julmar às 18:46
link do post | comentar | favorito
Sábado, 7 de Março de 2009

Pequeno Manual para Discussões Complicadas

Porque às vezes ainda me enredo nestas coisas das quais, quase sempre tiro a conclusão

que o melhor é o silêncio. Quando uma discussão não nos torna melhor, o melhor é não a começar.

 

.

 

Sinopse: «Diariamente somos confrontados com situações delicadas: tomar da palavra diante de um público intimidante ou hostil, discutir com pessoas exaltadas ou com um ponto de vista extremo, enfrentar desavenças familiares, publicidade enganosa, desinformação, assédio moral e até agressão física. A partir de experiências vividas e análises de situações concretas, este livro propõe uma reflexão e um método original para melhor enfrentar grande parte das situações difíceis que possam surgir, método esse desenvolvido a partir da própria expriência do autor e do estudo aprofundado dos mecanismos usados para conter a violência civil ao longo da história ocidental. É um livro muito concreto e prático que se dirige a todos os que já foram e podem vir a ser confrontados com tais situações para que as possam compreender e melhor prepararem-se para lhes responder, não pela violência e fuga, mas pela argumentação racional, a única via possível para viver numa sociedade mais justas e mais pacífica.
Porque, em casa, na escola ou na rua, a palavra pode ser a melhor arma contra a violência.»

 

Observações: Colecção Saberes

 

 

 

publicado por julmar às 12:05
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. A Leitura do ano

. Specus mundi - o melhor e...

. Passo a passo - Objetos ...

. Outubro, passo a passo= a...

. Preparar o centenário de ...

. Sobre corrupção

. Lendo Pico de la Mirandol...

. La Bohéme

. Passo a passo pelo Afegan...

. O valor da desobediência

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds