Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Lendo «Os vendedores de pedras»

julmar, 19.06.08

Estou fascinado pela prosa de Agostinho Gomes: Pelo verbo enformado que sublima o viver simples dos rústicos camponeses e na captura dos gestos e modos lhes traduz tão profundamente as almas.

 

Semeia e cria…

Ele bem decorara o acerto do dito. E, mesmo que magra, ali estava a colheita: o vendedor de pedras, não ia só!...

Uns maltrapilhos, maltratados pela vida, arrastavam botas cambas, tamancos nas encoiras. Que querem?... Arrastavam passos gastos, ansiosos, também, de cova para desilusões. Erguiam o caixão devagarinho. Com brandura de gestos. Não foram magoar o magoado bastardo da vida. Eram gestos limpos. Espremidos de carnes enxutas. Abeberadas, no entanto, de um chorume que era de alma comovida. Lágrimas a havê-las, vinham não sei de onde. De um onde sem saber qual. Das entranhas do caixão?

As pegas deste eram de corda. Assim mesmo, de corda. Cortantes de mãos. Que o caixão do pobre, por necessidade de rima, é mesmo pobre: nem cruz, memso de empréstimo, por sobre a tampa. Nem asas de metal alugadas, também …