Sexta-feira, 29 de Setembro de 2006

A máquina do mundo

O universo é feito essencialmente

de coisa nenhuma

Intervalos, distância, buracos

porosidade etérea.

Espaço vazio em suma

O resto, é a matéria.

Daí, que este arrepio,

este chamá-lo e tê-lo, erguê-lo e

defrontá-lo,

esta frente de nada aberta no vazio, deve ser um intervalo. 

publicado por julmar às 18:27
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2006

Trova de Sábado

Com o cabrão do João Ferreira, com um dedo do Luís Filipe Vieira, com a mão do Paços de Ferreira, perdoai, Senhor, os filhos da puta que roubam

(retirado do Berra Boi)

publicado por julmar às 22:47
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Setembro de 2006

Os últimos cavaleiros

    e       

Aznar e Pacheco Pereira são os últimos a defender que invadir e ocupar o Iraque foram uma boa decisão.

publicado por julmar às 07:57
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Setembro de 2006

Sobre a leitura

 

A leitura de todos os bons livros é como uma conversa com os melhores espíritos dos séculos passados, que foram os seus autores, e até uma conversa estudada, em que eles só nos revelam os seus melhores pensamentos.

René Descartes, in 'Discurso do Método'
publicado por julmar às 09:28
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Setembro de 2006

Os meus ídolos

Ditosa pátria que tais filhos tem

publicado por julmar às 22:02
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Setembro de 2006

A Internet e a educação

Castells, em «A Galáxia Internet» dedica um capítulo à info-exclusão, uma das consequências mais importantes da nova tecnologia.

«Nas sociedades avançadas, as escolas estão a ligar-se rapidamente à Internet. Nos EUA, a percentagem de escolas públicas ligadas cresceu de  35% em 1994, para 95% em 1999, e até 100% em 2001».

No entanto, adverte para o facto de que a eficiência da tecnologia educativa está dependente da eficiência dos professores que a utilizam. E, mais ainda, para o facto de que a aprendizagem baseada na Internet não depende unicamente da perícia tecnológica mas de um novo tipo de pedagogia necessária para trabalhar na Internet. Como afirma:«O fundamental é trocar o conceito de aprender pelo de aprender a aprender, já que a maior parte da informação se encontra on-line, e do que realmente se necessita é de habilidade para decidir o que queremos procurar, como obtê-lo, como processá-lo e como utilizá-lo para a tarefa que despoletou a procura dessa informação».

publicado por julmar às 22:08
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Setembro de 2006

Lendo a 'Galáxia Internet'

Porque acho que a Internet está a mudar o mundo quis ler um pouco sobre o assunto e escolhi «A galáxia Internet, reflexões sobre Internet, sociedade e negócios» de um conceituado sociólogo actual Manuel Castells, edição da Calouste Gulbenkian.

O que me surperende em primeiro lugar é a velocidade que não deixa de ser uma das características fundamentais das sociedades modernas e que a Internet encarna de modo quase absoluto ao mesmo tempo que quase tem o dom da ubiquidade e da instantaneidade: está lá tudo de modo instantâneo. Dez anos na vida da humanidade não é nada. Mas foi em 1995 que a Internet começou tal como a conhecemos. Dez anos apenas.  Aumenta exponencialmente o desenvolvimento desigual cavando um fosso abissal entre ricos e pobres, quer se trate de indivíduos quer de países. E mais: não deixa alternativa a outros modelos de desenvolvimento. E faz cumprir a palavra do Evangelho: «Aos que muito têm mais lhes será dado e aos que pouco têm até esse pouco lhes será tirado»

«A cultura da Internet é uma cultura construída sobre a crença tecnocrática no progresso humano através da tecnologia, praticada por comunidades de hackers que prosperam num ambiente de criatividade tecnológica livre e aberta, assente em redes virtuais, dedicadas a reinventar a sociedade, e  materializada por empreendedores capitalistas na maneira como a nova economia opera».

E coitados dos info-excluídos: «A info-exclusão fundamental não se mede pelo número de ligações à Internet, mas sim pelas consequências que tanto a ligação como a falta de ligação comportam, porque a Internet não é apenas uma tecnologia: é o instrumento tecnológico e a forma organizativa que distribui o poder da informação, a geração de conhecimentos e a capacidade de ligar-se em rede em qualquer âmbito da actividade humana (...)

O desenvolvimento sem Internet seria equivalente à industrialização sem electicidade durante a era industrial. É devido a isto que a afirmação tantas vezes ouvida relativamente à necessidade de começar 'pelos problemas reais do Terceiro Mundo', ou seja, a saúde, a educação, a água, a electricidade e outras necessidades, antes de se pensar no desenvolvimento da Internet, revela um profundo desconhecimento que realmente importam hoje em dia».

E Castells termina de uma forma pouca tranquila para os que gostariam apenas de viver a vida: «Imagino que alguém poderia dizer:' Porque é que não me deixa em paz? Eu não quero saber nada da sua Internet, da sua civilização tecnológica, da sua sociedade em rede! A única coisa que quero é viver a minha vida!' Pois bem, se esse for o seu caso, tenho más notícias para si: mesmo que você não se relacione com as redes, as redes vão-se relacionar consigo. Enquanto quiser continuar a viver em sociedade e neste lugar, terá que lidar com a sociedade em rede. Porque vivemos na Galáxia Internet»

Como dizia o poeta: Navegar é preciso!

publicado por julmar às 21:27
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Setembro de 2006

Riscar do dicionário

Se me pedissem para riscar uma palavra do dicionário escolheria a expressão bom senso. Por causa da sua adulteração. É com essa expressão que abre o Discurso do Método de Descartes, dizendo-nos em que consiste. Hoje em dia sempre que não se trabalhou o suficiente para ter ideias claras e distintas, sempre que não se sabe como actuar, apela-se inevitavelmente ao bom senso. Mais a mais, o bom senso assim prodigamente recomendado varia tanto como os interesses de quem o recomenda.

publicado por julmar às 19:46
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Setembro de 2006

Mais um ano lectivo

 Nova corrida, nova viagem. Desta vez iniciada com comida - um excelente arroz à valenciana  um vinho tinto, honesto - e discursos vários. E com o poema que se segue. Por mim há 33 anos que rolo a minha pedra até ao cume da montanha. Chegará o dia em que ficará no sopé.

 SÍSIFO

Recomeça…

Se puderes,

Sem angústia e sem pressa.

E os passos que deres,

Nesse caminho duro

Do futuro

Dá-os em liberdade.

Enquanto não alcanses

Não descanses.

 

E, nunca saciado,

Vai colhendo

Ilusões sucessivas no pomar.

Sempre a sonhar

E vendo,

Acordado,

O logro da aventura.

És homem, não te esqueças!

Só é tua a loucura

Onde, com lucidez, te reconheças

            Miguel Torga

 

publicado por julmar às 15:39
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 12 de Setembro de 2006

Sobre a leitura

«É nesse ponto que o estudo fenomenológico vai revelar a sua eficácia. Que nos aconselha a atitude fenomenológica? Pede para instituir em nós um orgulho de leitura que nos dará a ilusão de participar no próprio trabalho do escritor. Tal atitude não pode ser tomada na primeira leitura. A primeira leitura é feita com excessiva passividade. O leitor é ainda um pouco criança, uma criança que a leitura distrai. Mas todo bom livro, assim que terminado deve ser relido imediatamente. Após o esboço que é a primeira leitura, vem a obra de leitura. É preciso então, conhecer o problema do autor. A segunda leitura, a terceira, etc., vão nos ensinando pouco a pouco a solução desse problema. Insensivelmente, temos a ilusão que o problema e a solução são nossos. Essa nuance psicológica: ‘Eu é que devia ter escrito isso’, transforma-nos em fenomenólogos da leitura. Enquanto não chegarmos a essa nuance, continuaremos sendo psicólogos ou psicanalistas»

 A Poética do Espaço, Gaston Bachelard
publicado por julmar às 22:13
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Setembro de 2006

Um outro 11/9

É preciso não perder a memória. Foi há 33 anos que Pinochet levou a cabo um golpe de Estado que levou ao assassínio de salvador Allende  e a uma longa e sangrenta ditadura sob a protecção dos Estados Unidos. Chove em Santiago é o filme que nos retrata o acontecimento.

A herança

Assim Nixon comanda com napalm,
assim devasta raças e nações,
assim governa o triste Tio Sam:

com assassinos em seus aviões
ou com dólares verdes que reparte
entre politiqueiros e ladrões.

Chile, te colocou a geografia
entre o oceano e a primavera,
entre a neve e a soberania

e tem custado o sangue da gente
lutar pelo decoro. E a alegria
era delito em tempo precedente.

Recordam dos massacres miseráveis?
deixaram-nos a pátria malferida
a golpes de correntes e de sabres!

Pablo Neruda

publicado por julmar às 21:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 10 de Setembro de 2006

A Poética do Espaço, uma vez mais

A mim também me encantam as palavras, de um modo especial, quando as consigo encontrar na sua nascente. Ou melhor, quando, a partir do rasto, consigo encontrá-las in principio. Gosto delas, quando jogadas nada dizem; gosto delas quando como espadas castigam a impiedade; gosto delas quando do púlpito sagrado amolecem o coração; gosto delas quando como o rugir do vento o marulhar das ondas me afagam os ouvidos; gosto delas quando simples, certas, rigorosas me desenham o mapa do pensamento.

«As palavras - imagino isso frequentemente - são casinhas com porão e sotão. O sentido comum resude no rés-do-chão, sempre pronto para o co'comércio 'exterior', no mesmo nível de outrem, desse transeunte que nunca é um sonhador. Subir a escada na casa da palavra é, de degrau em degrau, abstrair. Descer ao porão é sonhar, é perder-se nos distantes corredores de uma etimologia incerta, é procurar tesouros inencontráveis. Subir e descer nas próprias palavras é a vida do poeta. Subir muito alto, descer muito baixo é permitido ao poeta que une o terrestre e o aéreo. Só o filósofo será condenado por seus pares a viver sempre no rés-do chão?»

publicado por julmar às 18:56
link do post | comentar | favorito

A poética do Espaço

A obra "A poética do Espaço" de Gaston Bachelard devia ser de leitura obrigatória (eu que sou contra a obrigação de ler) para todods os arquitectos. Certamente as nossas casas, as nossas ruas, as nossas cidades seriam bem diferentes:

«Que demais ao afirmar que um ângulo é frio e uma curva é quente? Que a curva nos acolhe e que o ângulo muito agudo nos expulsa? Que o ângulo é masculino e a curva feminina? Uma pitada de valor muda tudo. A graça de uma curva é um convite para habitar. Não se pode fugir dela sem esperança de voltar. A curva tem poderes de ninho; é um apelo à posse.É um canto curvo. É uma geometria habitada ... Só o sonhador que se arredonda a contemplar anéis conhece essas alegrias simples do repouso desenhado.»

publicado por julmar às 18:39
link do post | comentar | favorito
Sábado, 9 de Setembro de 2006

MANIFESTO PRÓ-PACHECO PEREIRA:

Retirado de 'O gato Fedorento' 

Amaldiçoado seja o palerma que anda entretido a piratear o Abrupto – ou, se a maleita do blogue é devida a erro informático, maldito seja então esse amontoado defeituoso de zeros e uns. Que arda no Inferno a besta – humana ou cibernética – que ofereceu ao Pacheco Pereira a sua última glória: o martírio. Alguém quer calar o Pacheco Pereira. Porquê? Ninguém sabe. O Pacheco Pereira incomoda. Quem? Ninguém diz. Mas o bravo Pacheco Pereira persistiu, agarrado ao leme do blogue, e depois de tremer três vezes escreveu este post veemente. Veementemente escrito a negrito, para percebermos que o autor vocifera, e sublinhado a amarelo veementemente, para percebermos que o autor investe. Sobre quem? Ninguém percebe. Mas o leitor que não esteja preparado para tanta veemência em tão poucas linhas não deixará de se comover. Trata-se de um pequeno mas lancinante grito de insurreição em que a preposição “desde” (a mais insurrecta das preposições) é protagonista. “Desde o momento em que não sei quê”, principia Pacheco Pereira. Mas “desde o início da tarde que não sei que mais”, prossegue depois. Pelo meio recebeu mensagens de conforto, o que aproveita para agradecer “desde já”. No fim, a promessa que nenhum homem decente conseguirá ler sem que os olhos se lhe encham de água: “podem ter a certeza de que aconteça o que acontecer o Abrupto continuará. Não será por esta via que acabam com ele.” “Acabam”, diz ali. O sujeito permanece indeterminado, mas agora temos um plural. Eles. Ah, perniciosa matilha. Quem serão? Os comunistas, os socialistas, os próprios sociais-democratas? Os jornalistas, os informáticos, os benfiquistas? Os bombeiros, os travestis, os profissionais do sector dos lacticínios? Ninguém arrisca um palpite. E, de facto, que se saiba, o blog prossegue como dantes, de modo que não chegamos a perceber se é a mordaça que é reles e barata ou se é a boca do censurado que de modo nenhum se deixa amordaçar, tão forte é a verdade das suas palavras. Também pouco importa, que o mal está feito. Apetece sair para a rua e escrever nas paredes “Ninguém há-de calar a voz do Pacheco Pereira”. Perder o acesso ao Abrupto seria, para nós, pecadores do século XXI, perder o contacto com a santidade. Porque o Pacheco Pereira é uma espécie de Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência, mas de âmbito mais alargado: observa todos os males do Mundo. E, assim como não há toxicodependentes no Observatório Europeu, também não há mal do Mundo que toque, sequer de raspão, em Pacheco Pereira. Há males nos blogues – mas não no de Pacheco Pereira. Há males na política – mas não na que Pacheco Pereira faz. Há males nos jornais – mas não nas páginas em que Pacheco Pereira escreve. Muito santo tem um homem de ser para passar impoluto num mundo tão indecente. E, no entanto, abre-se o blog do Pacheco Pereira e fica-se com o computador a cheirar a éter. O Pacheco Pereira é um desses semideuses de que fala o Álvaro de Campos no “Poema em Linha Recta”. Nunca levou porrada, nunca foi ridículo, nunca fez vergonhas financeiras. O Pacheco Pereira não se espanta, não se aleija, não tropeça, não duvida, não hesita, não ri. O Pacheco Pereira não faz um gesto que não o enobreça, não tem um prazer que não o edifique, não cede a um vício que não seja, vendo bem, uma virtude.
O Pacheco Pereira nunca escreve com as mãos sujas.
O Pacheco Pereira é um homem carregado de sentido.
Eu gostaria de adquirir uma viatura em segunda mão ao Pacheco Pereira.
O Pacheco Pereira cheira magnificamente da boca.
O Pacheco Pereira nu é belíssimo.
O Pacheco Pereira é de tal forma superlativo que já merecia ser elogiado no Abrupto pelo Pacheco Pereira.
O Pacheco Pereira publica opiniões de leitores: uns gostam imenso do que o Pacheco Pereira escreve; outros gostam ainda um pouco mais.
O Pacheco Pereira propõe discussões que normalmente envolvem a elaboração de listas. E os leitores discutem e elaboram.
De manhã, à hora a que a generalidade dos homens está a fazer a barba, o Pacheco Pereira está a pendurar poemas no blogue. E pendura-os com a mesma burocracia nos gestos com que os outros homens fazem a barba. Os homens não fazem comentários à barba e o Pacheco Pereira também não comenta os poemas. Os homens não se emocionam com a cara escanhoada e o Pacheco Pereira também não se emociona com os versos. Deus livre o Pacheco Pereira de ser tomado por uma das emoções humanas. O Pacheco Pereira exibe poemas como aqueles senhores, na rua, exibem os genitais. Abre a gabardina e mostra um soneto. Baixa as calças e revela uma ode.
Os poemas são escolhidos pelo Pacheco Pereira, mas há quem diga que podiam ser escolhidos por uma máquina, sem diferenças no resultado final. Sinceramente, duvido. Não creio que a máquina conseguisse escolhê-los tão automaticamente. RAP

publicado por julmar às 21:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Setembro de 2006

O antigo e o novo

 (Extraído do Abrupto de PP)
-Mire vuestra merced -respondió Sancho- que aquellos que allí se parecen no son gigantes, sino molinos de viento, y lo que en ellos parecen brazos son las aspas, que, volteadas del viento, hacen andar la piedra del molino.

-Bien parece -respondió don Quijote- que no estás cursado en esto de las
aventuras: ellos son gigantes; y si tienes miedo, quítate de ahí, y ponte
en oración en el espacio que yo voy a entrar con ellos en fiera y desigual
batalla.
(...)

-¿Cómo dices eso? -respondió don Quijote-. ¿No oyes el relinchar de los caballos, el tocar de los clarines, el ruido de los atambores?

-No oigo otra cosa -respondió Sancho- sino muchos balidos de ovejas y carneros.
(...)

Y, diciendo esto, puso las espuelas a Rocinante, y, puesta la lanza en el ristre, bajó de la costezuela como un rayo. Diole voces Sancho, diciéndole:

-¡Vuélvase vuestra merced, señor don Quijote, que voto a Dios que son carneros y ovejas las que va a embestir! ¡Vuélvase, desdichado del padre que me engendró! ¿Qué locura es ésta? Mire que no hay gigante ni caballero alguno, ni gatos, ni armas, ni escudos partidos ni enteros, ni veros azules ni endiablados. ¿Qué es lo que hace? ¡Pecador soy yo a Dios!

(foto e transcrição do Quixote por Fernando Igreja.)
publicado por julmar às 09:15
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Porque hoje é o dia mundi...

. Lugares da minha vida, de...

. Uma Breve História do Tem...

. Saudade das coisa simples

. O tempo parado

. Oh as casas as casas as ...

. O Cardeal Manuel Clement...

. A Inutilidade do Viajar

. Viajar

. Ano de 2017, passo a pass...

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds