Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Badameco

As anotações de Júlio Marques.

Somos Pó

julmar, 13.02.13

Memento homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris (Gn 3, 19)

Poucas são as coisas me satisfazem tanto como a oratória latina. De bom grado frequentaria aulas onde apurasse o pouco que sei de Cícero, de Virgílio ou de Horácio. Infelizmente chegámos a um tempo em que já nem a Igreja pratica o ensino do latim.

Para um cristão praticante, para um cristão não praticante ou para um ateu é reconfortante saber que somos pó e em pó nos volveremos um dia. Cada um dará a sua interpretação, mas certamente a todos melhorará na prática da humildade que nos reverte ao humus de que a humanidade é feita.

«Esta nossa chamada vida, não é mais do que um círculo que fazemos de pó a pó: do pó que fomos ao pó que havemos de ser. Uns fazem o círculo maior, outros menor, outros mais pequeno, outros mínimo: De utero translatus ad tumulum: Mas ou o caminho seja largo, ou breve, ou brevíssimo; como é círculo de pó a pó sempre e em qualquer parte da vida somos pó. Quem vai circularmente de um ponto para o mesmo ponto, quanto mais se aparta dele, tanto mais se chega para ele: e quem, quanto mais se aparta, mais se chega, não se aparta. O pó que foi nosso princípio, esse mesmo e não outro é o nosso fim, e porque caminhamos circularmente deste pó para este pó, quanto mais parece que nos apartamos dele, tanto mais nos chegamos para ele: o passo que nos aparta, esse mesmo nos chega; o dia que faz a vida, esse mesmo a desfaz; e como esta roda que anda e desanda juntamente, sempre nos vai moendo, sempre somos pó». 

Padre António Vieira, in "Sermões"