Quarta-feira, 7 de Novembro de 2012

MATEMÁTICA EM PORTUGAL - Uma questão de Educação

Ainda que a minha matemática não tenha ido além do quinto ano do Liceu ( no meu caso do seminário) e ainda que nunca tenha sido bom aluno na matéria, tive a felicidade de no quinto ano ter reprovado a matemática.  Ficava obrigado a ir prestar nova prova no regresso das Férias Grandes, em Outubro. Pela primeira vez me via confrontado, só, sem qualquer apoio, a entender toda a matéria. Daí resultou, com estudo aturado - com o grosso livro contendo a matéria do terceiro, quarto e quinto ano de autor de apelido Calado e com o caderno de exercícios de Palma Fernandes - o meu entendimento da matéria, descobrindo, com surpresa, que os exercícios matemáticos me davam prazer. A matemática, como nenhuma outra matéria, exige concentração, treino, persistência. Cada problema é um desafio e o espírito não sossega enquanto não encontra a solução.

Enquanto professor, de Filosofia, sempre me questionei sobre as altas taxas de insucesso na disciplina  de matemática e fiz mesmo algumas investigações, a título pessoal, sobre o assunto. Aliás,  a aprendizagem e os resultados da Filosofia, situam-se na confluência do Português - vertente discursiva/expressiva e da Matemática - vertente lógica.

Nesta obra o autor defende a tese de que em Portugal não existem matemáticos, com excepção de Pedro Nunes, tal se devendo a um problema de (falta/má) educação. A mesma tese, digo eu, é válida igualmente para o caso da Filosofia, cujos requisitos de aprendizagem são, em grande parte, idênticos. Num e noutro caso a incomodidade do raciocínio abstracto, a aversão ao teórico, o querer resultados à vista, algo de palpável. A matemática pura e a metafísica pertencem ao reino das coisas que não servem para nada e os portugueses não têm tempo para isso, não estão com meias medidas e querem ir diretamente ao assunto. Sentem o que Fernando Pessoa exprimiu poeticamente: "Pensar dói como andar à chuva".

Por outro lado, periférico, Portugal ficou sempre longe da produção científica e cultural.

Católicos, apostólicos, romanos, conservámos os rituais religiosos em língua latina, sem entender da religião, senão o folclore das festas, das imagens de santos, virgens, anjos querubins e serafins - a representação da corte celestial presidida pela Santíssima Trindade.

Católicos, ficou-nos vedado o acesso à palavra de Deus para quem a igreja de Roma considerou que apenas o latim era língua digna. Por isso, se considerava inútil e até contraproducente o aprender a ler e a escrever.

Católicos puros, duros e analfabetos, invejosos dos judeus cultos e ricos, subservientes aos interesses de Castela, decretou-se que os judeus que não se convertessem, fossem expulsos. Para o que se crIou Tribunal do Santo Ofício.

Católicos transportámos para as relações sociais os rogos e os pedidos aos santos para favorecimentos pessoais, apadrinhamentos, tráfico de influências, enfim, um arquétipo de corrupção.

Toda a nossa história é uma história de má educação. Todo o trabalho que exigir continuidade, persitência, sustentabilidade, massa crítica estão votados ao fracasso. Por isso, a nossa má educação. Por isso,não há na nossa história nem matemáticos, nem cientistas, nem filósofos. Temos artistas, nomeadamente, poetas cujas exigências intelectuais são outras.

O facto aceite de que os portugueses são muito bons na arte do desenrascnaço corrobora o que se disse: porque não se previu, tem que se remediar. Peritos em estratagemas e artimanhas inventadas, aprendidas e praticadas desde o início da escolaridade. O astrolábio lusitano é a melhor ilustração do espírito prático e do desenrascanço dos portugueses.

A cultura é para a educação e o conhecimento o que o clima é para o desenvolvimento das plantas.

 O que nos falta é luz e calor.

 

publicado por julmar às 21:44
link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Livros proibidos

. Vale dos Reis, Luxor

. A ribeira de ontem e a ri...

. Andar passo a passo, com ...

. Na margem do Nilo

. A reta é a mais curta dis...

. Ora, descubra lá a(s) dif...

. Põe-te em movimento, anda...

. Por Terras de Penafiel - ...

. Até ao Cairo, passo a pas...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds