Quinta-feira, 28 de Junho de 2012

Transições – do Secundário ao Superior - Continuidade ou rutura

Conferência Gaia Nascente

Introdução

 

Quero manifestar o meu gosto redobrado por poder estar convosco, pois, não é por obrigação mas por devoção. Um gosto por poder ouvir o Dr António da Fonseca sobre questões importantes para nós enquanto cidadãos e enquanto especialistas que somos em educação.

Um gosto por termos uma oportunidade de aprendizagem.

E pelo tema, que só muito depois de proposto julgo ter visto a sua importância e interesse para os professores - Transições -, que pela sua conotação semântica me arrastou logo para a minha dimensão central de filósofo e para expressão metafísica do PANTA REI (tudo corre) de Heráclito ou à trilogia dialéctica hegeliana da tese, antítese e síntese. Ou, ainda, à elucidativa compreensão etimológica do viajar -via agere - fazer via, fazer caminho que nos reporta ao "Homo Viator" de Gabriel Marcel; ou ainda ao peripatetismo aristotélico como metáfora de rejeição de um ensino imobilista, sedentário, sentado. Bem diferente dos nossos, o teu liceu, Aristóteles!

Sócrates deu-nos o método na procura do saber, mas, doutores que nos tornámos, privilegiamos o ensinar ao aprender. Deu-nos o exemplo de como viver, mas que achamos impraticável num clima de hedonismo consumista e irresistível. Sociedade sofista. Sociedade relativista, não de ausência de valores mas de equiparação de valores sendo o dinheiro o valor que tudo afere.

Já nem sequer é o "homem a medida de todas coisas", como dizia Protágoras, mas o dinheiro. Liberdade, dignidade têm o preço do cifrão, mandando às urtigas a preciosa distinção entre coisas e pessoas do expoente do iluminismo alemão I. Kant.

Temos, hoje, demasiada informação, bastante conhecimento e, crescentemente, menos sabedoria.

Faltam-nos elites cultas que criem sentido para o coletivo das comunidades. Um sentido que se colhe na história e com que se projeta o futuro que o Estado Novo com o enviesamento ideológico, que conhecemos, não descurou.

Na obsessão do combate ao deficit financeiro (como se este não fosse o resultado de todos os outros deficits), na emergência dos problemas que nos afetam, na busca de soluções imediatas ... cortam na formação, no conhecimento, na cultura, na filosofia, na educação artística, nas humanidades, sem contestação.

Por isso, temos comentadores ilustríssimos (vg Ângelo Correia), presidentes de confederações ( vg da Indústria), ministros ( vg da Saúde) a falar latim em inglês - aitems em vez de itens. E será pior ao obrigar ao número de 20 alunos para constituição das turmas de grego e latim.

Perdoem-me esta divagação. Mas isto tem tudo a ver com transições.

Pensei em falar-vos das transições de uma pessoa que como pré-escola guardou cabras, que aprendeu da terra e do gado quanto se pode aprender, em part time, antes e depois da escola e nas férias escolares a tempo inteiro, que era de manhã ao pôr do sol.

Que demorava de viagem para um seminário do Alentejo 24 horas de viagem, três das quais a pé para tomar o combóio. Que sofreu todos os traumas próprios dos internatos - quem quiser entender um pouco leia A Manhã Submersa de Virgílio Ferreira - Estudou  (muito latim, grego também), brincou, rezou, perdeu  a fé para encontrar um deus maior. Foi operário para poder ser filósofo - e teve uma adorável avó que lhe emprestou dinheiro (reembolsados até ao último centavo) para ir para a faculdade. Bacharel encontrou emprego como professor num telefonema de uma cabine telefónica de Oliveira de Azemeis.

Confessou-me ter tido sorte por ter tirado um curso inútil- Filosofia - que, ao tempo, se definia, em termos de graça, como «a coisa com a qual ou sem a qual a gente fica tal e qual». Sorte por ter sido professor de Português, de História, de Antropologia, de Sociologia, de Psicologia, de Estudos Sociais, por ter sido professor no Ensino Especial e no Ensino Superior, mas, sobretudo, por ter sido professor de filosofia.

Ele é um apreciador de coisas inúteis, de coisas que não servem para nada como a filosofia e a arte. Aprendi com ele coisas simples e importantes:

Disse-me, há muitos anos, que não faz sentido querer mudar o mundo sem começarmos por nós. Que precisamos de aprender sempre, todos os dias e que há dois modos de o fazer: com as pessoas e com os livros.

Que não basta fazer as coisas mais ou menos, mas que é preciso fazê-las bem, que é preciso ter como objetivo a excelência, a menos que nos resignemos à mediania.

A educação é demasiado importante para ficar no mais ou menos.

Que não há desculpa para fazer sempre melhor.

Claro que a maioria há-de situar-se sempre na mediania. A excelência requer muito treino, muita prática deliberada. É isso que as nossas escolas precisam.

É essa a oferta que tem de ser feita aos alunos. Precisam de saber que podem ser excelentes, precisamos de lhes indicar o caminho.

Este meu amigo é um caso que, como ele diz, contraria o determinismo sociológico.

Costuma dizer-me que tem sorte.

Eu acho que ele trabalha para a ter. Sorte, tenho eu, em ter um amigo assim.

Júlio Marques

publicado por julmar às 11:46
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Pinheiro a 28 de Junho de 2012 às 16:17
Gostava imenso de conhecer o seu amigo, pois deve ser uma pessoa excecional .


Comentar post

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Porque hoje é o dia mundi...

. Lugares da minha vida, de...

. Uma Breve História do Tem...

. Saudade das coisa simples

. O tempo parado

. Oh as casas as casas as ...

. O Cardeal Manuel Clement...

. A Inutilidade do Viajar

. Viajar

. Ano de 2017, passo a pass...

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds