Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2015

A aula: perpetuação do mito da caverna?

Resultado de imagem para uma caverna de Platão

 Provavelmente nunca a filosofia floresceu e teve a vitalidade dos primeiros filósofos gregos. Nela se sente a originalidade de quem não recorre a um passado para se justificar. O "logos" não havia ainda ganho o domínio e a unidade e diversidade coexistiam dialéticamente.

Com Platão a filosofia institucionaliza-se, sistematiza-se, cristaliza-se, escreve-se, sedentariza-se.

Sócrates filosofava na rua, na praça, não escolhia lugar. Com Platão a filosofia passa a ter um lugar próprio - A Academia, a Escola.

Sócrates não escolhia auditório: partia do princípio de que todo o homem é filósofo, que qualquer um pode encontrar a verdade. Platão divide os homens em categorias, impõe condições para entrar na academia: " Proibida a entrada a quem não souber matemática”: propedêutica obrigatória, a seleção começava. Sócrates interrogava, Platão ensinava. Passa-se de um saber constituinte a umo saber constituído. Dá-se a cristalização do saber.

Com a morte de Sócrates que será apenas a primeira,a  filosofia sedentariza-se. A polis não suportava um saber que não podia controlar.

A filosofia de Sócrates era de crítica às instituições. Platão tentará colocar filosofia ao serviço da instituição. O filósofo deixará de assumir consciência crítica e passará a ser um funcionário da instituição e pago por ela.

E o mito da caverna vingou. No ensino também. O contacto directo com a vida e seus problemas deixou de existir. E todos os aprendizes de filósofo entram na caverna: "estão lá dentro desde infância, algemados de perdas e pescoço, de tal maneira que só lhes é dado permanecer no mesmo lugar e olhar em frente; são incapazes de voltar a cabeça, por causa dos grilhões”.

Em frente, em cima do estrado, o professor faz passar as imagens sonoras, por vezes visuais. Essas imagens não são as próprias coisas mas tomam-nas como tais. Um ensino livresco, divorciado da realidade.

«… se eles fossem capazes de conversar uns com os outros que te parece, achas que eles julgaríamos estar a nomear objetos reais, quando designavam apenas as sombras que viam? " Ensino nominalista. «Considera depois, como reagiriam se fossem soltos das cadeias ". Saídos da caverna, ficarão deslumbrados por não ver ligação entre o que aprenderam e a vida real. Ou talvez não.

Poderá parecer um pouco  caricatural a analgia estabelecida, mas não deixará contudo de traduzir muito do que  se passa hoje na sala de aula. Aliás, este mito, tão simbolicamente rico, não deixa de traduzir, num contexto mais vasto, a vida da civilização ocidental.

O professor, único que viveu no mundo das ideias (ou que conhece melhor o jogo das cavernas?) regressa à caverna e compete-lhe, agora, conduzir os outros através de uma ascese a esse mesmo mundo. Nem todos o conseguem. Os que o conseguirem serão, no entanto, o reis, os guardas da cidade. Os outros que não se purificaram da ignorância serão os súbditos.

O Mito surtiu efeito. Se não é a cidade ideal que foi construída dela se aproxima em muitos aspetos. Por isso, é um erro considerar Platão como um político frustrado. Platão continua vivo.

Somos habitantes da caverna, seus prisioneiros e não sabemos onde se encontra a porta. Se a encontrarmos de pouco vale pois quem tentar dirigir-se para ela será tratado de parvo ou criminoso. Todos dizem mal da prisão mas detestam sair dela. Nascemos nela e a ela nos habituámos.

Pedagogicamente, os conservadores procuram manter as leis e regras que tornam possível a vida na caverna. Os progressistas pretendem decorá-la, adorná-la, reivindicam mais conforto e liberdade para nela viver.

(Extrato do trabalho de estágio, Escola Seundária Infanta D. Maria, Coimbra, 1980)

publicado por julmar às 18:21
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Leituras de menino - O l...

. Leitura a não perder

. A Vila - vista noturna

. A Coruja de Minerva

. Andar - Cálculos

. A sombra do viajante

. Migalhas filosóficas

. Obrigado pelo atraso

. Leituras breves

. Poemas da minha vida

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds