Terça-feira, 31 de Março de 2015

Leituras de Março

miguel.jpg

 

 Ler é, para mim, não raras vezes uma forma de preguiça: viajar sem sair do lugar, pensar por conta de outrem, sonhar os sonhos dos outros, escusar-se à escrita, escutar alguém que procura fazer-se ouvir. E na leitura como na vida sentimo-nos melhor com gente que comunga experiências, sentimentos, pensamentos e crenças semelhantes. Questões de simpatia. 

publicado por julmar às 18:54
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Março de 2015

Leituras de Março - História da Rebolosa

DSC_0193.JPG

Origem do nome Rebolosa

Lenda da Rosa

Meu pai dizia que o nome de Rebolosa vem do 'rouba la rosa. Era um rapaz mouro, que namorava uma moça cristã chamada ROSA. Mas, nem os pais dele nem os pais dela consentiam no namoro, por causa do ódio que havia entre Cristãos e Mouros. Então, os jovens combinaram fugir e amigaram-se por lá. Quando regressaram traziam uma menina nos braços que apresentaram às famílias como justificação para os deixarem casar. Mas em vez disso as famílias entraram numa guerra, onde os pais da rapariga acusavam os Mouros de lhes terem roubado  a filha Rosa. Gerou-se uma briga do género da dos ciganos, onde o rapaz mouro acabou morto. A rapariga Rosa, que o amava e tinha dele uma filha, ficou muito desgostosa e suicidou-se. A menina, orfã de pai e mãe, ficou entregue aos cuidados dos avós maternos que, cada vez mais repassados de ódio contra os mouros, quiseram baptizar a criança apenas com nome da mãe Rosa. Mas o padre disse-lhes que devia também ter o nome do pai. Ora, o pai ficou conhecido pela alcunha de 'Rouba la Rosa', e era reboleiro de profissão, porque tabalhava com os rebolos. Foram então buscar a raiz REBO, do pai, que juntaram à ROSA, nome da mãe e a menina passou a chamar-se REBOLOSA. 

História da Rebolosa, Bernardino Pinheiro, ed. do autor .Pg 44

publicado por julmar às 17:49
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Março de 2015

Quando Vier a Primavera

Quando vier a Primavera, 

Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
publicado por julmar às 18:13
link do post | comentar | favorito
|

Teorema de Pitágoras

Criou-se na família a ideia de que tínhamos boa memória para as línguas mas que não tínhamos jeito para a matemática. Foi assim que as minhas dificuldades dobraram na matéria até ao momento em que tive,  numas Férias Grandes - assim se chamavam as férias de Verão -, por mim próprio, sem apoio de ninguém, com o célebre Compêndio de Matemática de J. Jorge G. Calado e o caderno de Exercícios de Álgebra e Geometria, de Palma Fernandes, preparar-me para fazer o exame do 5º ano. Corria o ano de 1965. Foi das experiências mais gratificantes que tive: resolver problemas. Mais tarde essa minha experiência foi iluminada com o estudo de Descartes ao dar-nos como modelo de evidência inteletual o conhecimento matemático. Foi isso que Galileu nos ensinou na afirmação de que a natureza se encontra escrita em linguagem matemática. Presumo que não se pode chegar ao espírito científico sem esta convicção e sem o entusiasmo que ela gera. Imagino a alegria de Pitágoras, certamente igual à do Eureka de Arquimedes, na descoberta do teorema que tem o seu nome: A soma dos quadrados dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa. 

Na falta do conhecimento do dito teorema, vi os meus artífices a usarem uma regra prática para conseguirem esquadrias usando  medidas standard dos catetos 60 e 80 e da hipotenusa 100. Artifices que nunca na escola chegaram a esse estudo. 

publicado por julmar às 17:34
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Março de 2015

Trechos preferidos

Eclesiastes 3

Também na Bíblia há mensagens de paz e de guerra, de amor e de ódio, de perdão e de vingança.

1 Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

2 Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;

3 Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar;

4 Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar;

5 Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;

6 Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora;

7 Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;

8 Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.

9 Que proveito tem o trabalhador naquilo em que trabalha?

10 Tenho visto o trabalho que Deus deu aos filhos dos homens, para com ele os exercitar.

11 ¶ Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs o mundo no coração do homem, sem que este possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim.

12 Já tenho entendido que não há coisa melhor para eles do que alegrar-se e fazer bem na sua vida;

13 E também que todo o homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho; isto é um dom de Deus.

14 Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar; e isto faz Deus para que haja temor diante dele.

15 O que é, já foi; e o que há de ser, também já foi; e Deus pede conta do que passou.

16 ¶ Vi mais debaixo do sol que no lugar do juízo havia impiedade, e no lugar da justiça havia iniqüidade.

17 Eu disse no meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio; porque há um tempo para todo o propósito e para toda a obra.

18 Disse eu no meu coração, quanto a condição dos filhos dos homens, que Deus os provaria, para que assim pudessem ver que são em si mesmos como os animais.

19 Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego, e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade.

20 Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó.

21 Quem sabe que o fôlego do homem vai para cima, e que o fôlego dos animais vai para baixo da terra?

22 Assim que tenho visto que não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras, porque essa é a sua porção; pois quem o fará voltar para ver o que será depois dele?

publicado por julmar às 11:37
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Março de 2015

Gedeão, sempre

Isto de a gente sorrir, de cabeça inclinada

sobre o ombro direito,

para uma tela sarapintada

sem forma nem jeito,

só porque tem luz,

só porque tem cor,

é signo de graça,

é sinal de amor
publicado por julmar às 21:52
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Leitura a não perder

. A Vila - vista noturna

. A Coruja de Minerva

. Andar - Cálculos

. A sombra do viajante

. Migalhas filosóficas

. Obrigado pelo atraso

. Leituras breves

. Poemas da minha vida

. A terra do sr Fernando

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds