Quinta-feira, 27 de Setembro de 2012

14º Aniversário da Google

As coisas mais importantes na (da) vida são assim: Só nos lembramos da importância delas quando nos faltam. O Google tornou-se uma dessas ferramentas ao nível do conhecimento e da informação: está tudo lá à distância de um clique. Claro que podemos viver sem google. Mas não é a mesma coisa. E se damos graças ao supremoa arquitecto do universo eu quero hoje mostrar o meu reconhecimento aos criadores do google. Obrigado.

publicado por julmar às 12:39
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 20 de Setembro de 2012

The Science of Getting Rich - Wallace D. Wattles

Wallace D. Wattles escreveu este pequeno livro em 1910. Não existe tradução em português (talvez por que os portugueses têm o culto da pobreza e estigmatizam a riqueza). Em apenas 66 páginas o autor mostra-lhe o caminho certo - A Certain Way, como pensar e agir - para se tornar rico. Não se ria, leia primeiro. Mais ainda, é infalível porque se trata de um conhecimento científico de caráter matemático. Claro, se o não conseguir é por sua exclusiva culpa que não seguiu o método, pela simples razão de ter de pagar um preço para que não está preparado. 

There is a thinking stuff from which all things are made, and wich, in its original state, permeates, and fills the interspaces of the universe.

 A thought, in this substance, produces the thing that is imaged by the thought.

Man can form the things in his thought, and, by impressing this thought upon formless substance, can cause the thing he thinks about to be created.

 In order to do this, man must pass from the competitive to the creative mind; otherwise he cannot be in harmony with the Formless Intelligence, wich is always creative and never competitive spirit.

Man may come into full harmony with the Formless Substance by entertaining a lively and sincere gratitude for the blessings it bestows upon him. Gratitude unifies the mind of man with intelligence of Substance, so that man’s thoughts are received by Formless. Man can remain upon the creative plane only by uniting himself with the Formless Inteligence through a deep and continuous feeling of gratitude.

Man must form a clear and definitive mental image of the things he whishes to have, to do or to become; and he must hold this mental image in his thoughts, while being deeply grateful to the Supreme that all his desires are granted to him. The man who wishes to get rich must spend his leisure hours in contemplation his vision, and in earnest thanksgiving  that the reality is being given to him. Too much stress cannot be laid on the importance of frequent contemplation of the mental image, coupled with un wavering faith and devout fratitude. This is the process by witch the impression is given to the Formless, and the creative forces set in motion.

The creative energy works through the established channels of natural growth, and of the industrial amd social order. All that is included in his mental image will surely be brought to the man who follows the instructions given above, and whose faith does not waver. What he wants will come to him through the ways of established trade and commerce.

In order to receive his own when  it shall come to him, man must be active; and this activity can only consist in more than filling his present place. He must keep in mind the Purpose to get rich through the realization of his mental image. And he must do, every day, all that can be done that day, taking care to do each act in a successful manner. He must to give to every man a use value in excess of the cash value he receives, so that each transaction makes for more life; and he must so hold the Advancing Thought that the impression of increase will be communicated to all with whom he comes in contact.

The men and women who practice the foregoing instructions will certainly get rich; and the riches they receive will be in exact proportion to the definiteness of their vision, the fixity of their purpose, the steadiness of their faith, and the depth of their gratitude.

publicado por julmar às 19:28
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Setembro de 2012

Luís Goes

Homens que fazem a cultura

http://www.youtube.com/watch?v=ME16t9UGc5s

publicado por julmar às 12:27
link do post | comentar | favorito
|

Vivam os Poetas - Maria Teresa Horta

Estamos em tempos de solidão, estamos em tempos que quem pode deve mostrar o caminho da liberdade e da dignidade. 

Precisamos de saber «que há sempre alguém que resiste/ há sempre alguém que diz não» 

E Teresa Horta, terá recordado a outra poetisa

«Porque os outros se mascaram, mas tu não»

 

Morrer de Amor


Morrer de amor 
ao pé da tua boca 

Desfalecer 
à pele 
do sorriso 

Sufocar 
de prazer 
com o teu corpo 

Trocar tudo por ti 
se for preciso 

Maria Teresa Horta, in “Destino”

publicado por julmar às 12:11
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 16 de Setembro de 2012

O Povo saiu à Rua

 
Vós que lá do vosso império,
Prometeis um mundo novo,
Calai-vos, que pode o povo
Qu'rer um mundo novo a sério.
     (António Aleixo)

 

Desde os tempos da Revolução dos cravos que não saía à rua. Do 25 de Abril, do 1º Primeiro de Maio recordo o riso estampado nos rostos, a alegria incontida, a libertação, a liberdade, o sonho.

Nesta manifestação havia muita gente que ali acorreu para verter os sentimentos e emoções. Tristeza, preocupação, indignação eram o denominador comum. Também havia raiva, pouca. Insultos? Não. Apenas desabafos, como o da fotografia.

publicado por julmar às 21:51
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 12 de Setembro de 2012

Manuela Ferreira Leite e Pedro Passos cOelho

Lá está o que dizia Amora da Silva. Manuela que perdeu para Passos Coelho dá-lhe um enorme arraso, só não lhe chamou burro com estas letras. Amiga como é de Cavaco, algo está a ser cozinhado. Aguardemos algum tempo. Não será preciso muito.
publicado por julmar às 22:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Os Vampiros - Zeca Afonso

Estaríamos no ano de 1964. Seminário de Beja, coração do Alentejo. Tínhamos entrado para a sala de aula e aguardávamos a entrada do padre Lúcio, professor de Matemática. Chegou, de batina, e um riso nos lábios. Levou o indicador à boca e psch! Pediu-me para ir buscar um gira-discos. Colocou o disco que acabava de trazer da cidade e pôs-nos a ouvir Zeca Afonso. Não sei se foi um acto de loucura ou de coragem. Não recordo nenhuma aula de matemática mas nunca me esqueci desta.

No céu cinzento

Sob o astro mudo

Batendo as asas

Pela noite calada

Vem em bandos

Com pés veludo

Chupar o sangue

Fresco da manada

Se alguém se engana

Com seu ar sisudo

E lhes franqueia

As portas à chegada

Poisam nos prédios

Poisam nas calçadas

Trazem no ventre

Despojos antigos

Mas nada os prende

Às vidas acabadas

No chão do medo

Tombam os vencidos

se alguém se engana

Com seu ar sisudo

E lhes franqueia

As portas à chegada

Eles comem tudo

Eles comem tudo

Eles comem tudo

E não deixam nada

Eles comem tudo

Eles comem tudo

Eles comem tudo

E não deixam nada

publicado por julmar às 12:46
link do post | comentar | favorito
|

Morra o Coelho, PIM! Amora da Silva

Verdade é que todos se aburguesaram, se acomodaram ao que julgam ser a fatalidade capitalista, após a queda do muro de Berlim. Até o maestro Vitorino entrou na procissão promovida pela Optimus. Verdade é que a cantiga deixou de ser uma arma e poetas e músicos passaram a ter como sentido das suas vidas tratar das suas vidinhas. Que falta nos faz o Zeca Afonso ... Para animar a malta. Que falta nos faz um Almada Negreiros com um Manifesto Anti-Coelho. Temos ums elite intelectual e artística acomodada lendo a cartilha liberal, um pouco mais ou um pouco menos, mas liberal.
"PORTUGAL QUE COM TODOS ESTES SENHORES, CONSEGUIU A CLASSIFICAÇÃO DO PAIZ MAIS ATRAZADO DA EUROPA E DE TODO OMUNDO! O PAIZ MAIS SELVAGEM DE TODAS AS ÁFRICAS! O EXILIO DOS DEGRADADOS E DOS INDIFERENTES! A AFRICA RECLUSA DOS EUROPEUS! O ENTULHO DAS DESVANTAGENS E DOS SOBEJOS! PORTUGAL INTEIRO HA-DE ABRIR OS OLHOS UM DIA - SE É QUE A SUA CEGUEIRA NÃO É INCURÁVEL E ENTÃO GRITARÁ COMMIGO, A MEU LADO, A NECESSIDADE QUE PORTUGAL TEM DE SER QUALQUER COISA DE ASSEIADO!"
Final do Manifesto Anti Dantas, de José de Almada Negreiros
publicado por julmar às 11:57
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Setembro de 2012

A Crise – De Cavaco Silva a Passos Coelho - Amora da Silva

 Ainda não era Cavaco mas Aníbal. Entusiasmado com um carro novinho acabado de comprar a que fez rodagem, rumando até à Figueira da Foz, onde decorria um congresso do PSD. Professor de Finanças, jovem, austero, convencido, convenceu o partido do quale tomou as rédeas para com ele conquistar o poder, primeiro como Primeiro-ministro e mais tarde como Presidente da República, tornando-se, deste modo, o político com mais tempo na política e maior responsável pelo estado a que a Nação chegou. A década de 90 é a década das maiorias cavaquistas, do grande afluxo dos fundos europeus com os quais se inicia a idade do betão (as auto-estradas, as pontes, o Centro Cultural de Belém – jóia do cavaquismo ), o início das PPP (parcerias Público-Privadas), o recebimento de dinheiro para modernização da frota pesqueira e da agricultura que significou o desmantelamento de uma e de outra, o desenvolvimento do sector dos serviços, o alastramento de Grandes superfícies Comerciais que arruinaram o pequeno comércio; no ensino houve a proliferação de Escolas Superiores do Ensino Privado, numa concorrência desleal com o Ensino Público, muitas delas coutadas de partidos, onde lecionavam políticos cuja competência era muitas vezes, a do cartão partidário e onde outros políticos aproveitavam para compor o currículo com licenciaturas, mestrados, doutoramentos de que, por infelicidade para o visado, temos o exemplo de Miguel Relvas . E à volta de Cavaco foram-se afirmando ministros e secretários que mais do que do bem público foram construindo redes de interesses privados que, cobertos com leis, viriam a dominar setores vitais das atividades do país, nomeadamente na área da economia e das finanças. E pasme-se com assento no Conselho de Estado, como é o caso de Dias Loureiro, uma escolha de Cavaco Silva. Um exemplar de uma corte frequentada por Oliveira Costa. Gente do BPN onde Cavaco tinha tratamento preferencial na valorização das suas economias. Infelizmente, (por medo ou falta de ousadia, por prudência?)por ter sido coisa da Maria , como afirmou, a valorização foi grande mas o investimento pequeno pelo que ficou um homem pobre com dificuldade em governara vida com o mísero ordenado de Presidente da República. Gente na maior impunidade, até hoje, para sempre. Ah, se eu ao menos acreditasse no Juízo Final! Mas a corte é muito grande: Duarte Lima (como é que um homem inteligente se descuida assim!) que à nossa custa dava festas a essa imensa corte- que grandes banquetes - que hoje deveriam corar de vergonha. Se a tivessem. Sim, os que foram para administradores do Banco do Estado, a CGD; os que foram para o Banco de Portugal; os que foram para autarquias – olha os Valentins, olha os Isaltinos; os que foram para administradores de Empresas do Estado e privadas- olha o Ferreira do Amaral e o Mira Amaral que mostram no peso do corpo o peso da carteira. E onde estavam o Pedro e o Miguel? A trabalhar arduamente na JSD, tão arduamente que não tinham tempo para estudar, eles apostavam nessa máxima dos bajuladores militantes: «O importante não é o que conheces mas quem conheces». Em termos de academismo bastava-lhes a Universidade de Verão. O PSD é uma grande família. Tem bandeira e tem hino. E tem condes e barões. Tem sedes e bastiões. Também tem aparelho partidário e hierarquias, distritais e concelhias. E lealdades. Também tem pés-rapados que pedem ao padrinho um lugarzinho ao sol. Um PSD importante acusava o partido de ser como um albergue espanhol para se referir a esse espaço onde desaguam as mais desvairadas gentes e interesses. Ouvi muitas vezes, que o PSD é o partido que melhor reflete as gentes e a cultura portuguesa e se calhar tem razão, pese embora a minha tristeza. Na procura de alguns argumentos, iria buscar os que já conhecemos. 1 - O PSD é um partido ingovernável, tal como país: “Há nos confins da Ibéria um povo que nem se governa nem se deixa governar” Caio Júlio César, político e general romano (100 a.C. – 44 a. C) A frase de Caio Júlio César assenta ainda com mais rigor ao PSD que ao país. Desde o princípio. Mas se atendermos aos seis anos em que durou o governo Sócrates, o que vemos? Uma luta pelo poder no partido insanável e que só termina com a exaustão do governo instituído. Durante esses anos temos Santana Lopes, Marques Mendes, Filipe Menezes, Manuela Ferreira Leite e … exausto o partido de tanta luta interna cai o partido no mais impreparado e inexperiente de todos para governar o país – Pedro Passos Coelho. Foi assim nesta sucessão de líderes que o partido preparou a governação do país. 2 – O país e o PSD espelham-se um no outro “Cada povo tem o governo que merece” Joseph-Marie de Maistre (Savoia, 1 de Abril de 1753 — 26 de Fevereiro de 1821) O povo escolheu Pedro Passos Coelho para o governar. Aí o temos em todo o seu esplendor colocando o povo a pão e água. Já nem tanga temos, andamos nus. E, sobretudo, um povo que suporta mentira tão descarada e tratamento tão indigno … merece bem o governo que tem.

publicado por julmar às 17:28
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Setembro de 2012

Saudades de Vilar Maior no Alto Minho - Dr Manuel Leal Freire

 O primeiro domingo deste ano da graça de dois mil e doze, dia em que, por força duma tradição quase milenar, se celebra, em Vilar Maior, o Divino Senhor dos Aflitos,bem como o tríduo precedente, passei-o eu, por obrigação parental,   peregrinar pela Ribeira  Lima, terras onde a mãe de Portugal, a Rainha Dona Teresa tinha a  sua Vila, a da Ponte  de Lima—diremos nós.

Como para a soberana, para mim há tambem só uma vila,Vilar Maior, que foi sede   meu concelho antes de o Degola-Municípios, Passos  José ou a seu mando qualquer secretário de estado,  o ter extinguido e mandado integrar com  a  Bismula, minha  pátria chica ou santa terrinha, no do Sabugal.

Por isso, e mau grado durante todos aqueles dias me ter passeado pelas amenas veigas do Lima, e  apesar da beleza da paisagem e da monumentalidade  da região  que integra os mais belos solares do Mundo, do que é exemplo a Casa de Bretiandos, de familiares do meu saudoso amigo Conde da Aurora, nunca me saiu da memória a imagem do Castelo de Vilar  Maior

Por todos esses dias as minhas papilas gustativas foram regaladas com o melhor da cozinha minhota… pratos tradicionais da antiguidade portuguesa, enriquecidos com aportes da India e dos Brasis, onde foram vice-reis e capitães-mores os antepassados destes que agora me recebem.

Rojões e sarrabulhos em restaurante famosos dos Arcos, Ponte da Barca ou Ponte de Lima, peixes daqueles  que os fidalgos requisitavam aos pescadores de Viana - os senhores dos Arcos e  Ponte da  Barca dizem aos fidalgos de Ponte de Lima que digam ao povo de Viana  que mande  peixe para cima - confeccionados  à beira-mar  por sábias mãos de nautas  e argonautas,- de tudo me foi dado provar.

Mesmo assim não me saíam  do goto os sabores de Vilar  Maior - os cozinhados da professora  Delfina, os melões do   senhor  Jose Pedro, as sardinhas  da feira dos talentos, do vinho do saudoso Primo Carlos, do  alvarinho do Alvaro Simões, do espumoso  que os irmãos Gatas  costumam abrir em minha  honra.

É que não há nada como a saudade para  emoldurar e dourar.

publicado por julmar às 17:41
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Leitura a não perder

. A Vila - vista noturna

. A Coruja de Minerva

. Andar - Cálculos

. A sombra do viajante

. Migalhas filosóficas

. Obrigado pelo atraso

. Leituras breves

. Poemas da minha vida

. A terra do sr Fernando

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds